Valentino e Gaultier mostram faces da Alta-costura

Naomi Campbell foi o ponto alto do desfile de Gaultier e os estilistas de Valentino trouxeram mais uma vez uma homenagem à beleza feminina

qua, 28/01/2015 - 19:30
MIGUEL MEDINA Modelo desfila criação de Valentino, em 28 de janeiro de 2015 MIGUEL MEDINA

O classicismo de Valentino e a exuberância festiva de Jean Paul Gaultier mostraram duas visões muito diferentes nas coleções de primavera-verão de Alta-costura em Paris.

Enfeitada com flores, Naomi Campbell foi o ponto alto do desfile de Gaultier, apresentado na forma de um festa de casamento. Para Valentino, os estilistas Maria Grazia Chiuri e Pierpaolo Piccioli trouxeram para a passarela mais uma vez uma homenagem sublime à beleza feminina.

A festa de Gaultier

Usando como pano de fundo o famoso tema do casamento igualitário, gritos de entusiasmo e aplausos acompanharam todo o desfile de Gaultier, que anunciou no ano passado sua aposentadoria do prêt-à-porter para se concentrar na Alta-costura.

Catherine Deneuve, Carla Bruni-Sarkozy, Dita Von Teese, Conchita Wurst e Arielle Dombasle assistiram na primeira fila em cadeiras brancas, como em uma festa de casamento.

Com o tom inconformista e divertido que desde os anos 80 caracteriza o estilista que aos 62 anos os franceses continuam chamando de "enfant terrible da moda", não faltaram smokings, saias de tule, corpetes e jaquetas assimétricas.

Naomi Campbell encerrou a festa adornada com um ramo de orquídeas, coberta em plástico simulando celofane transparente com uma fita na cintura, como um buquê. "É o casamento para todos, afinal de contas!", disse Gaultier após o desfile. "Para todas as formas de casamento, todas as idades e a quantidade de vezes que quiserem", brincou.

"Na Alta-costura vemos muitos vestidos de noiva, eu nunca me dediquei a isso em especial. Eu pensei: depois de tudo ainda é a essência da moda, então eu disse: por que não me debruçar sobre o casamento e fazer vestidos de noiva, imaginando o que é um vestido de noiva hoje?". "Pode ser muito romântico, com branco, bordados, tule, gaze, mas também algo mais masculino, às vezes bissexual, outras, bipolar", diz o estilista. "Queria mostrar que no final das contas, você pode estar vestida de noiva de muitas maneiras!", prosseguiu.

Segundo Gaultier, abandonar o prêt-à-porter lhe permitiu "aperfeiçoar ainda mais a técnica e todo o trabalho do ateliê".

A aura de Valentino

Difícil imaginar algo mais longe do histrionismo de Gaultier que a atmosfera de beleza renascentista que reinou na passarela de Valentino. Chiuri e Piccioli comandam desde 2008 a 'maison' fundada por Valentino Garavani, ainda adorado pelos italianos aos 81 anos como "l'ultimo imperatore" da moda.

As silhuetas da coleção 2015 são impalpáveis e longilíneas, com uma profusão de bordados que lembram os trajes tradicionais das camponesas eslavas, transparências angelicais e veludo vermelho, o famoso "vermelho Valentino". O resto das cores são neutras: giz, marfim, azul-celeste e verde-água.

Um conjunto de vestido e blusa de linho era bordado com ponto cruz, no estilo das roupas folclóricas russas, e levou 3.500 horas para ser bordado.

O desfile foi dedicado a nada menos que "o amor" e inspirado na obra do pintor russo Marc Chagall. Uma nota entregue aos convidados explica: "No centro da celebração desse sentimento está a protagonista, a mulher, criatura sublime que gera um sentimento de elevação". Estamos em pleno universo de Valentino.

Os convidados que encheram os salões de uma mansão que pertenceu à família Rothschild aplaudiram durante vários minutos até que os estilistas saíram para saudar a plateia.

COMENTÁRIOS dos leitores