Aldo Vilela

Aldo Vilela

Jornalista

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Pode ser hoje

Aldo Vilelater, 17/10/2017 - 09:58

Vejam vocês como são as coisas em Brasília, hoje o  Senado  federal deve adiar mais uma vez, pois é isso mesmo mais uma vez  a votação do afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Como jea é sabido por todo o país, o nobre senador é  alvo de medidas restritivas impostas pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal. As razões  para adiamento da votação se deve  a principalmente  motivos a ausência de vários senadores e mais a dificuldade de o tucano de conseguir os 41 votos necessários para rejeitar a decisão da Corte. Para ajudar o colega bandido pelo menos 11 senadores devem se ausentar da votação desta terça-feira, 17, o que dificulta um resultado favorável ao parlamentar mineiro. Vale lembrar que Aécio está afastado das funções parlamentares desde o último dia 26 de setembro, quando também passou a ser obrigado a se recolher em sua casa  no período noturno. O senador da propina de dois milhões de reais, precisa de 41 votos dos 81 senadores para derrubar a decisão da Corte e retomar o mandato. Claro que em Brasília o corporativismo prevalece e no Senado não pode ser diferente e para atingir esse número necessários para livrar a cara de Aécio, aliados dele consideram que seriam necessários pelo menos 70 senadores no plenário, número que não deve ser alcançado nesta terça-feira. Fazendo as contas, além dos 11 parlamentares que estarão  ausentes, também não podem ser contabilizados o voto do  próprio Aécio, que está impedido de participar de qualquer atividade parlamentar, e o presidente da Casa,  Eunício Oliveira (PMDB-CE), que só registra voto em caso de empate. Nesta matemática  o resultado é a redução para 68 o número de senadores que poderiam votar. Pode terminar mais uma vez em uma grande pizza essa decisão vinda dos colegas senadores do “nobre Senador mineiro”.

Se tiver voto, será aberto

O senador  nascido em Garanhuns –PE , Randolfe Rodrigues que pertence ao  Rede do Amapá , protocolou mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a votação no Senado sobre as medidas cautelares contra o tucano Aécio Neves (MG) seja aberta.

Com isso?

A votação que pode derrubar o afastamento do mandato do senador mineiro e o seu recolhimento noturno está marcada para hoje e deve mesmo ser aberta com os nomes dos senadores no painel e o respectivo voto.

O coitadinho

“A única coisa que peço é o meu direito de defesa. Permitam que eu apresente a minha defesa. Não posso ser condenado sem ter essa chance.” É com esse discurso  batido, cínico e caduco que Aécio Neves (PSDB-MG), tentou sensibilizar os poucos colegas do Senado com quem falou nos últimos dias.

De pires na mão

Prefeitos  de todo o País fazem, hoje e amanhã, uma nova marcha a Brasília. Com o agravamento da crise, os municípios passaram a sofrer mais penalizações, como a redução drástica de recursos obrigatórios para manutenção dos programas na área social. Vão chorar na frente de Temer na tentativa de conseguir dinheiro.

AMUPE

O Presidente da Associação Municipalista de Pernambuco, José Patriota (PSB),  que é prefeito de Afogados da Ingazeira, viajou com mais 80 gestores pernambucanos para reforçar o movimento reivindicatório de caráter nacional. Choradeira que pelo visto não vai dar em nada.

A volta dos mortos vivos

A banca de  defesa da ex-presidente da República Dilma Rousseff vai utilizar a delação do doleiro Lúcio Funaro, para pedir a anulação do processo que resultou em impeachment no ano passado.

E pode?

Pode, mas se vai ter retorno é outra coisa. O advogado de Dilma , José Eduardo Cardozo, disse que o depoimento de Funaro mostra que "o ex-deputado Eduardo Cunha comprou votos de parlamentares em favor do impeachment". A defesa deve entrar com pedido, hoje.

A expulsão

Não deu em nada a proposta de expulsão do ministro Fernando Bezerra Filho do PSB. Uma liminar impediu tal ação, e os Coelhos seguem sangrando dentro da legenda. Todos querem expulsar Miguel e Fernando filho do partido.

COMENTÁRIOS dos leitores