Aldo Vilela

Aldo Vilela

Jornalista

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

A decisão

Aldo Vilelaqui, 12/10/2017 - 18:25

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (11) dar ao poder  Legislativo a palavra final sobre a possibilidade de  suspensão do mandato de parlamentares pelo Judiciário. A partir de então no entendimento, da corte, decisões do STF de afastar deputados e senadores de suas funções só podem se efetivar com aval da Câmara ou do Senado. Claro que era isso que o Senado esperava para poder livrar a cara dos bandidos que ali dão plantão, escondendo os crimes pessoais na capa dos mandatos de senadores. A maioria dos ministros entendeu que o STF pode impor as chamadas medidas cautelares aos parlamentares, contudo que a decisão será remetida em até 24 horas para Câmara ou Senado na hipótese de a medida cautelar impossibilitar, direta ou indiretamente, o exercício regular do mandato. Vale lembrar que essa decisão sobre quais dessas medidas serão submetidas ao Congresso será do próprio STF, e isso será caso a caso.  A partir do momento que  receberem uma medida cautelar do STF, deputados ou senadores decidirão, pelo voto da maioria de seus membros, sobre a aplicação da medida. Claro que isso nunca vai acontecer por parte dos legisladores, pois tanto deputados quanto senadores se protegem e protegem os pares ao máximo num claro exercício de corporativismo.

O que pode?

Algumas das medidas cautelares que o Judiciário pode determinar são, afastamento do mandato; recolhimento noturno domiciliar; proibição de o parlamentar ter contato com determinadas pessoas; impedir que ele deixe o país; proibição de frequentar determinados lugares.

Ressalvas

Mas, se tais medidas impossibilitarem o exercício regular do mandato, serão submetidas à decisão final do Legislativo. Então fica tudo como dantes no quartel de Abrantes.

Votação

O senado poderá votar de maneira aberta ou fechada pela permanência ou não do Senador “bandido”, Aécio Neves. Randolfe Rodrigues do Rede Sustentabilidade vai segurar na terça que o voto seja aberto.

O relator

O deputado “múmia”  Bonifácio de Andrada (PSDB-MG),  que foi o relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da denúncia contra o presidente Michel Temer, não está aceitando as críticas que vem recebendo dos colegas e da sociedade sobre o seu parecer que recomenda a rejeição da acusação da denúncia contra  Temer.

E João Dória quer ser presidente

A maior cidade do Brasil, São Paulo vai ficar sem prefeito e sem vice neste feriado prolongado. João Doria viaja para a Itália de onde volta no domingo (15), e Bruno Covas vai para Paris no sábado (14) e retorna no dia 25 deste mês. Desse jeito viajando mais do que ficando na cidade onde ele é prefeito, que dória quer ser eleito presidente do Brasil, ah tá !!

Mendonça libera dinheiro

O ministro da Educação, Mendonça Filho, autorizou o início das obras de reforma de escolas nos municípios pernambucanos de Amaraji, Caruaru e Quipapá.

Quanto?

O valor que será liberado é de R$ 3,78 milhões e vai beneficiar  24 unidades escolares espalhadas nas três cidades. Esses prédios escolares tiveram suas estruturas afetadas pelas chuvas este ano.

FBC em ritmo de campanha

O prefeito de Lagoa Grande (PE), Vilmar Cappellaro (PMDB), foi recebido pelo senador Fernando Bezerra Coelho em Brasília (DF). Com FBC  até agora no mesmo partido de Cappellaro, o PMDB, o prefeito esperar contar mais ajuda oriunda do governo central.

Por falar em FBC

O senador Fernando Bezerra Coelho sugeriu a fusão da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), com o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs).

COMENTÁRIOS dos leitores