Paulo Alcantara

Paulo Alcantara

Juventude, Educação & Trabalho

Perfil:Especialista em Direito do Trabalho, Especialista e Mestre em Educação, professor universitário e desembargador do TRT da 6a Região

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Não sei bem o tamanho da crise, mas, um caminho é, trabalhar

Paulo Alcantarasex, 15/04/2016 - 17:35

 

“Não pretendemos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar "superado".

Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que às soluções. A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia.

Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la”.

Albert Einstein

http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/1752195/jewish/Albert-Einstein-e-Suas-Frases-Crebres.htm

 

Venho confessar um segredo para vocês, sou um grande admirador de Albert Einstein e resolvi começar e terminar a nossa coluna quinzenal, sob a sua orientação e dedicar a coluna o tema — TRABALHAR — começando com um texto que fala sobre o que fazer em momentos de crise.

É certo que, sob o meu olhar, esse texto cabe como uma luva, para a situação caótica em que a nossa sociedade ou País se encontra.

Sim, trabalhar é o tema de nossa coluna, pois, nos vemos numa situação, como País, bastante delicada. É certo que na próxima quinzena, não podemos dizer como estará o País, sob o ponto de vista institucional, político e quem está no comando presidencial, entretanto, é certo dizer que a receita, ou, o caminho será com o trabalho de cada uma de nós para superar tão grave momento. Cada um na sua atividade e visão social tem o dever de trabalhar. Será inocência alguém acreditar que está sozinho e basta cuidar de sua vida. Até concordo com a segunda parte, no que se refere a cuidar de sua vida e o nome disso é ser autossuficiente, uma derivação de trabalhar.

Mas, para atingir essa autossuficiência será necessária uma preparação, dedicação, estudo, desenvolver uma profissão e muito trabalho, durante todas essas etapas e, por toda a vida. Como iniciamos a coluna, não ocorrerá mudanças, se fazemos sempre a mesma coisa e não são minhas palavras. O trabalho sempre esteve na arquitetura da civilização e, ao que parece, nunca em outra época da história da humanidade, ele se fez tão presente e necessário.

Pulando de autor, lembro-me de uma frase de Adam Smith quando afirmou que “não foi com o ouro nem com a prata, mas com o trabalho, que toda a riqueza do mundo foi inicialmente comprada”.[i] É certa a afirmação e hodiernamente o trabalho ocupa posição de destaque.

Alguns amigos dizem que sou otimista ou visionário demais. Pode até ser, mas não tenho alternativa. Sou Pai de três Amados filhos e tenho esperança de ser avô. O que estou fazendo, para deixar pessoas melhores, em um mundo melhor? O nosso modo de vida, informa o mundo que queremos e essa ideia me impulsiona para frente e avante.

As dificuldades e obstáculos não devem, até podem, superar nossa capacidade de superação e o próprio Einstein dá outra dica — dificuldades e obstáculos são fontes valiosas de saúde e força para qualquer sociedade — isso deve nos fazer refletir sobre esse momento e mais do que refletir, arregaçar as mangas e tomar a atitude de escrever a história de cada um de nós. Somos o artífice na construção e lapidação da pessoa que sou ou quero ser. Acredito na força que a juventude tem e que dentro de nossas veias corre muito mais do que sangue, corre energia. Sim, uma energia que tem muitas faces.

Uma hora, essa energia nos impulsiona para frente e nos faz avançar, trabalhar, construir, mudar uma realidade por outra.

Noutro momento, essa energia nos conforta e nos repara por dentro, nos dando alento com uma paz interior.

Em outra ocasião, mostra a nossa saúde interna e é o instrumento de nossa cura de doenças, pois, a saúde vem de dentro para fora e não de fora para dentro, pelo menos acredito nisso.

Enfim, essa energia no presente momento, deve nos orientar para trabalhar e sermos o artífice de nossa própria existência.

Como disse anteriormente, acredito na força da Juventude e com Educação & Trabalho, poderemos construir alguém melhor, em nós mesmos e ajudar a edificar uma família, um bairro, uma cidade, um Estado e um País melhor.

Por fim, quero deixar esse outro pensamento de Einstein, “lembre-se que as pessoas podem tirar tudo de você, menos o seu conhecimento.”

Sinta-se desafiado e venha jogar conosco, o jogo da sua vida.

Até mais.

 



[i] Hunt, E. K. História do pensamento econômico; Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. 504p.

COMENTÁRIOS dos leitores