Djalma Guimarães

Djalma Guimarães

Seu Bolso

Perfil:Economista pela UFCG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFPE. É Docente, Projetista e Consultor Empresarial da i9 Projetos.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Black Friday, ano novo, críticas velhas.

Djalma Guimarãester, 01/12/2015 - 09:39

O ano de 2015 entrará para a história econômica como ‘o ano que não começou’. Na verdade paramos na eleição presidencial de 2014. Pouco foi feito de lá para cá para superarmos as dificuldades da conjuntura e da estrutura econômica, por isto, desemprego, recessão, inflação, déficit público devem estar presentes nas listas de termos mais comentados em 2015 na internet.

Esta combinação de fatores levou muitas famílias a adiarem projetos de consumo, esperando momentos mais vantajosos para a compra de bens e serviços. Ou seja, existe uma demanda reprimida por bens e serviços. Muitos brasileiros aguardaram ansiosamente a Black Friday para a compra dos itens desejados.

Apesar da popularização do evento, alguns consumidores desconfiavam dos ditos “descontos”, em um ano tão negativo na economia, o comércio tinha a chance de apagar a imagem de ‘Black Fraude’. Porém, frutou-se quem esperou tais promoções, daquele tipo que vemos no noticiário sobre a Black Friday americana.

Nesta edição os órgãos ligados a defesa do consumidor e vários especialistas aconselharam os consumidores a consultar o histórico de preço dos produtos, o que de fato aconteceu, pois o site de comparação de preços de produtos mais popular do país passou algum tem fora do ar durante o evento, acredito que devido ao excesso de acessos. Logo, a prática de aumentar os preços no pré-evento, para conceder descontos nas vésperas do evento (Tudo pela metade do dobro) seria arriscada. Assim, a estratégia 2015 de alguns foi menores descontos, fretes interplanetários, prazos de entrega eternos, dentre outros. Vi o frete de uma TV de São Paulo para Pernambuco superior a R$ 400,00.

Em um país onde a confiança nas instituições está abalada, o sentimento de estar sendo ludibriado se reforçou no último final de semana. Não digo, que não tenham ocorrido descontos em alguns estabelecimentos, mas o Black Friday perdeu a oportunidade de cair no gosto do consumidor brasileiro em um contexto tão carente de boas notícias.

COMENTÁRIOS dos leitores