Magno Martins

Magno Martins

Política Diária

Perfil:Graduado em Jornalismo pela Unicap e com pós-graduação em Ciências Políticas, possui 30 anos de carreira e já atuou em veículos como O Globo, Correio Braziliense, Jornal de Brasília, Diário de Pernambuco e Folha de Pernambuco. Foi secretário de Imprensa de Pernambuco e presidiu o comitê de Imprensa da Câmara dos Deputados. É fundador e diretor-presidente do Blog do Magno e do Programa Frente a Frente.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Unidade de mentirinha em Caruaru

Magno Martinsqui, 10/09/2015 - 10:04

Caruaru virou o grande abacaxi da fase sinalizada pelo start da discussão da sucessão do prefeito José Queiroz (PDT). Bastou um encontro do ex-governador João Lyra Neto e a sua filha Raquel, deputada estadual, com Paulo Câmara, para que pipocassem as mais diversas versões, entre as quais a de que o governador havia fechado apoio a Raquel.

Mas não foi bem assim, segundo nota do secretário-geral do PSB, Adilson Gomes, para quem a discussão da eleição não apenas em Caruaru, mas em todo o Estado, só se dará no tempo certo, ou seja, 2016. Na prática, Adilson desautoriza o presidente estadual, Sileno Guedes, e o próprio governador.

Quem fala agora pelo partido? Como a manifestação de Adilson veio em nota oficial, a impressão é a de que a autoridade está com ele. Ouvido pelo blog, o presidente Sileno Guedes disse que Adilson tem razão quando afirma que as definições se darão apenas em 2016, mas faz uma ressalva: o PSB terá candidato próprio em Caruaru.

Sendo assim, é confiável a fonte que passou a versão para a mídia do encontro de Raquel com Câmara, reproduzida principalmente pelos jornais como já selado o apoio do governador a Raquel. Afinal, não há um nome, hoje, mais forte no partido para entrar na disputa do que o da deputada, mais votada do partido em Caruaru.

Fala-se em Jorge Gomes e Laura, sua esposa, ex-deputada estadual. Atual vice-prefeito de Queiroz, Jorge é um político sério, honrado e com grandes serviços prestados a Caruaru, mas seu nome passa longe do quesito renovação. Quanto à Laura, uma pessoa extremamente simpática e trabalhadora, sequer se elegeu estadual.

Sileno e Adilson falam em unidade do PSB, algo praticamente impossível quando se trata de uma conjugação de esforços para unir José Queiroz e João Lyra no apoio a Raquel Lyra. Da mesma forma, improvável que, a esta altura, Raquel abdique da sua candidatura para apoiar Jorge ou Laura, nomes que soariam suavemente aos ouvidos do prefeito.

A unidade do PSB em Caruaru é letra morta. Queiroz e Lyra são dois bicudos, adversários figadais. O próprio Queiroz já declarou que cansou de levar coice, assim mesmo, do ex-governador e desafeto. Nem o prefeito apoia Raquel nem João Lyra apoia qualquer nome colocado pelo prefeito, mesmo filiado ao PSB.

PLUMAGEM TUCANA– Em Petrolina, o deputado Lucas Ramos já está procurando um partido para se abrigar e com isso disputar a Prefeitura. Perdeu o controle do PSB para o deputado Miguel Coelho, filho do senador Fernando Bezerra. E é com ele que o partido vai tentar derrotar o prefeito Júlio Lóssio (PMDB), que ainda não escolheu o seu candidato, mas gostaria de apoiar Lucas, desde que este se filie a um outro partido, de preferência o PSDB. O que se diz por lá é que Lucas terá em breve plumagem tucana.

Nome da oposição em Serra– O médico Fonseca Carvalho, mais conhecido como Doutor Fonseca, confirmou, ontem, conforme antecipamos neste espaço, a sua filiação ao PR, legenda pela qual disputará a Prefeitura de Serra Talhada com o apoio do grupo do ex-deputado Inocêncio Oliveira, agora liderado pelo secretário de Transportes, Sebastião Oliveira, que está atraindo outras lideranças no Interior para reforçar os quadros republicanos nas eleições do ano que vem.

Mundo da lua– O deputado Jarbas Vasconcelos diz que seriam "infrutíferas" todas as tentativas para criar um entendimento nacional em torno da permanência de Dilma no cargo. Para ele, um Governo de coalização em torno do vice Michel Temer seria uma alternativa. "Mas teria que ter a participação de todos, porque entregar a gestão somente ao PMDB ou à oposição seria um desastre", disse. Ele também defendeu que Dilma renuncie ao comando do Executivo nacional, mas disse que "a ficha dela não cai porque ela vive no mundo da lua. Ela acha que o mundo é o 'mundo da Dilma", afirmou.

Seca braba– O monitoramento diário feito pela Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) em 87 reservatórios do Estado aponta que 40% deles estão em colapso total. A situação é mais grave no Sertão, onde 24 dos 39 reservatórios praticamente já secaram, sendo que 18 não têm mais sequer um pingo de água. No Agreste, o estado de colapso alcança 11 das 34 barragens. Segundo a Apac, seis unidades monitoradas secaram em sua totalidade.

O vice de Palmares– Rompido com o grupo do ex-deputado Enoelino Magalhães, que na eleição passada indicou sua filha para vice, o prefeito de Palmares, João Bezerra (PSB), admitiu, ontem, que o nome mais cotado para ser seu novo companheiro de chapa na reeleição é o do presidente da Câmara, Luciano Rodrigues Júnior, do Partido Verde. Jovem e atuante, com trânsito fácil em todos os partidos da aliança governista, o parlamentar dá um tremendo reforço à chapa.

CURTAS

EM AMARAJI- O comerciante Rildo Reis, do ramo de farmácias, se filiou em Amaraji ao PR será o candidato do partido a prefeito com chances reais de emplacar o mandato pela sua credibilidade e serviços prestados ao município. Até o dia 5 de outubro, quando vence o prazo para filiação partidária, muita gente estará fazendo a travessia para outras legendas.

PRESÍDIOS- O Supremo Tribunal Federal determinou que o Governo libere todo o saldo acumulado no Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), destinado à construção e reforma de presídios. Além disso, a Corte proibiu novos contingenciamentos da verba. Atualmente, o fundo conta com R$ 2,4 bilhões, acumulados em mais de 15 anos, segundo o Ministério da Justiça, que o administra.

Perguntar não ofende: É legal e justo acabar a exigência de comprovação do domicilio eleitoral já nas eleições do ano que vem, como propõe a proposta em tramitação no Congresso?

COMENTÁRIOS dos leitores