Djalma Guimarães

Djalma Guimarães

Seu Bolso

Perfil:Economista pela UFCG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFPE. É Docente, Projetista e Consultor Empresarial da i9 Projetos.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Comprar carro novo ou ficar com o usado?

ter, 11/08/2015 - 11:08

Eis uma questão que muitos brasileiros tem enfrentado neste ano de 2015. Desde as primeiras medidas expansionistas com vistas a minimização dos efeitos da Crise Financeira Internacional em 2008, muitos brasileiros não pensaram duas vezes e compraram carros novos. 

No entanto, aquele contexto favorável, uma combinação de: Prazo alongado, redução do IPI, crescimento da renda e pleno emprego, já não são mais os mesmos. O que mudou: Crescimento do desemprego, na RMR o desemprego em abril atingiu 8%, contra 6,5% em dezembro de 2014; renda média estagnada; inflação bem acima do teto da meta 6,5%a.a., de janeiro a junho o acumulado do IPCA já atingia 8,47%; e por fim a elevação da taxa de juros para o financiamento que já eram consideradas elevadas, agora ultrapassam os 27% a.a. 

Neste contexto, o consumidor tem pensando duas vezes antes de trocar de carro, preferindo passar um pouco mais de tempo com o carro atual, esperando um cenário mais favorável para então adquirir outro veículo. 

Quem está rindo à toa é o setor de manutenção e peças para veículos usados, a opção por ficar mais algum tempo com o carro usado demanda cuidados adicionais de manutenção e reparos. Em conversas com empresários do setor, percebe-se uma ampliação no faturamento e admissão de pessoal no ano de 2015, ou seja, tal setor está na contramão da crise.

Um fato interessante é que a despeito da expressiva queda nas vendas de veículos, ilustrado pela queda de 20,7% no emplacamentos no primeiro semestre do ano, o preço médio dos veículos subiu 4,5% desde dezembro.

COMENTÁRIOS dos leitores