Diego Rocha

Diego Rocha

Cultura Nerd

Perfil: Publicitário de formação, mestre em Design, entusiasta da Estética. Professor universitário, fashion-geek, zen-gamer e aficcionado por séries de tv, quadrinhos e cinema de ficção.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

A Violência em Mortal Kombat

Diego Rochater, 26/05/2015 - 11:45

Uma das franquias de jogos de luta com maior reconhecimento mundial, Mortal Kombat surgiu durante a onda de crescimento de jogos como Street Fighter e King of Fighters. Frente à popularidade de um e ao carisma já firmado do outro, o diferencial adotado como marca da identidade desses jogos foi a violência!

Diferente dessas outras franquias, Mortal Kombat investia no uso explícito e visual dessa violência. Sangue e a insinuação de desmembramento, decapitação, eletrocução, incineração entre outras coisas igualmente mórbidas acompanham os jogos e dão a sua tônica. Insinuações, pois as capacidades gráficas dos consoles de 16 bits não alcançavam os detalhes necessários para a experiência necessária... mas com a evolução dos consoles isso foi sendo corrigido.

Então, em homenagem ao lançamento do novo Mortal Kombat X, vamos rever alguns dos reflexos dessa violência e de como eles foram utilizados.

Fatality

O Fatality representa a primeira e mais característica marca. Quando o oponente zerava seu marcador e energia nos dois rounds ele estava derrotado, o vencedor tinha, então, a oportunidade de deixar seu oponente "cair" ou fazer algo para garantir a sua morte! Cada personagem, de acordo com seu histórico confirmava essa morte à sua maneira.

No novo jogo, Mortal Kombat X, a evolução tecnológica permitiu que as cenas fossem visualmente mais explícitas, atingindo níveis mais profundos de impacto visual!

Funções como o "raio x" explicitam ainda mais a violência dos golpes, além da alta fidelidade das imagens, dignas dos filmes de terror mais grotescos! Mas além dos Fatalities, ao longo dos jogos da série outras finalizações também foram apresentadas aos jogadores:

Animality

Em certa edição cada personagem tinha um "espírito animal" e demonstravam a capacidade de se transformarem em um animal para finalizar seu adversário. A explicação não era o mais importante, mas a representação dos personagens em suas formas animais eram sempre divertidas!

Brutality

Uma "evolução" dos Fatalities, o Brutality seria uma forma ainda mais impactante, ou mais brutal, como o nome sugere. Corpos que explodem, muito sangue e pouco contexto... apenas força "bruta".

E caso você esteja se perguntando, aquela imagem lá em cima se refere a uma das reações à violência dos jogos. Parte do público (e muitos pais e mães) se mostravam contra essa selvageria. O Mortal Kombat X foi apresentado a um público de mais idade e a reação deles foi a seguinte:

Sendo questionados pelo seu teor "explícito" e a possibilidade de perder público, o jogo passou a contar com as novidades: o Friendship e o Babality. É incerto se essas finalizações foram uma brincadeira com esse tipo de reação ou de fato uma forma de deixar o jogo mais leve... para quem não lembra, eles eram mais ou menos assim:

Criando uma dissonância do escopo, no Friendship o personagem se recusa a "matar" seu oponente e faz alguma brincadeira, seja pular corda, oferecer flores, brincar de projetar sombras, etc...

No lugar de matar o oponente, no Babality a intenção é transformar o oponente em um bebê e humilhá-lo... de uma forma fofa!

Mas uma das maiores sacadas do jogo foi que ele (como vários jogos já fizeram) acolheu um personagem da cultura pop cinematográfica para seu enredo... nesse caso  Jason Vorhees (o vilão dos filmes da série Sexta-feira 13). E o mais bem feito: o personagem no jogo é tão imortal quanto nos filmes, tendo uma forma de "ressuscitar", como pela eletricidade dos raios do Raiden!

COMENTÁRIOS dos leitores