Daniel Coelho

Daniel Coelho

Tribuna Livre

Perfil:Nascido no Recife, Daniel Coelho tem 34 anos e cumpre seu primeiro mandato de deputado estadual, pelo PSDB. Antes, foi duas vezes vereador do Recife, pelo PV. Formado em Administração pela UPE, com mestrado na Inglaterra, Daniel foi candidato a prefeito do Recife em 2012, terminando a disputa em segundo lugar, com mais de 245 mil votos recebidos.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Quem vai pagar a conta da Arena?

Daniel Coelhoter, 21/05/2013 - 11:15

Nesta quarta-feira, o jogo entre Náutico e Sporting, de Lisboa, marcará um momento histórico para o Estado: a inauguração da Arena Pernambuco, estrutura de primeiro mundo, moderna, capaz de colocar o nível de entretenimento – e não apenas no que se refere ao futebol – em outro patamar para o pernambucano. Em teoria, isto deveria ser motivo para comemoração. Há, no entanto, fatores preocupantes.

Primeiro, no que se refere ao “pacote” que foi vendido juntamente com a Arena Pernambuco para o Estado. É bem verdade que a construção do equipamento traz consigo alguns trunfos, especialmente no que se refere a possibilitar o desenvolvimento de uma área, em São Lourenço da Mata, que dificilmente seria possível se realizar, a curto prazo, qualquer outro tipo de investimento daquele porte. Porém, junto com a Arena, viriam também uma série de obras de mobilidade e acesso que, por ora, ainda não conseguiu se concretizar.

A Arena Pernambuco está sendo entregue a tempo para a Copa das Confederações, que acontece no próximo mês. Mas e as demais promessas? Onde estão, por exemplo, o terminal integrado Cosme e Damião e o Ramal Cidade da Copa, obras fundamentais de acesso ao local dos jogos? E estamos nos referindo apenas às promessas de mobilidade mais próximas do estádio. Num apanhado geral, no entanto, é fato: todas as obras prometidas para a Copa do Mundo estão atrasadas.

Este, porém, não é o único problema que preocupa quando o assunto é a Arena Pernambuco. Existe um outro ponto, contratual, que é ainda mais grave – e que apenas recentemente foi revelado: caso o consórcio comandado pela Odebrecht, que está à frente da Arena Pernambuco, não consiga uma cota de faturamento mínima, estipulada em R$ 35,6 milhões, até junho de 2014, caberá ao governo do Estado arcar com o prejuízo. Sozinho.

Ou seja: ou o consórcio consegue o lucro pretendido, ou quem vai pagar a conta pela mega-estrutura será o consumidor. Mais uma prova das dificuldades do governo do Estado em lidar com parcerias público-privadas. Queremos a Arena Pernambuco. Queremos um equipamento de primeiro mundo que dê orgulho para o pernambucano. Queremos que, junto a ele, novas áreas sejam desenvolvidas. O que não queremos é que o cidadão seja ludibriado e termine por pagar uma conta que só agora veio a público.

COMENTÁRIOS dos leitores