Simone Bérgamo

Simone Bérgamo

Educação e Família

Perfil: Psicopedagoga e Mestre em Psicologia Social e da Personalidade.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Uma reflexão

Simone Bérgamoqui, 03/11/2011 - 12:24

Nós, pais, não podemos perder de vista que, apesar das transformações pelas quais passa a sociedade, somos e seremos sempre a primeira fonte de influência comportamental, emocional e ética dos nossos filhos. Estamos cada vez mais preocupados a respeito do futuro deles, e é comum buscarmos ajuda.

A relação entre pais e filhos não é mais a mesma do passado, pois a família mudou, tomando novas configurações. Isso ocorreu através de divórcios e segundos casamentos, mães que trabalham fora de casa, “pais de fins-de-semana”, dificultando, desse modo, manter a mesma dedicação à Educação dos filhos como a de gerações anteriores.

O nível de preocupações dos pais e a influência negativa da sociedade aumentaram consideravelmente. Os jovens hoje estão expostos a uma diversidade de informações e de violências que antes não existia, e que, de forma inconsciente, impede os pais de promover o crescimento dos filhos. Esse fator influi diretamente no desenvolvimento da autonomia da juventude em nossa cultura, pois romper com a dependência emocional construída pelos pais e deixar de lado a postura que tinha quando criança  torna-se cada vez mais difícil.

Esse processo, caracterizado pelo conflito existente entre as duas partes, pode possibilitar ao jovem, no seu comportamento, certa dose de ambivalência e inquietude. E aos pais, a incerteza de como conduzir os filhos por um caminho no qual possam protegê-los e, ao mesmo tempo, prepará-los para o enfrentamento da vida. Mas como orientar sem manipular, como direcionar sem induzir, como proteger sem reprimir a liberdade? Para enfrentar a vida com confiança e para obter condições de sobrevivência, é fundamental que esse jovem construa seu caráter pautado na criatividade e na iniciativa, próprias da autonomia, na busca de um ser ético que se adapte às exigências do mercado de trabalho.

A postura dos pais, como mediadores, é de extrema importância, pois os filhos sentem necessidade de falar a fim de clarear seus sentimentos e idéias. Ao contrário do perfil do pai que, ao impor sua razão, tira do filho a possibilidade de pensar e de problematizar questões para chegar a uma resolução, sem falar na inibição que proporciona. O mediador abre espaço para as dúvidas e ganha confiança e respeito. Pois, se existe indecisão frente a duas possíveis soluções, ao fazer perguntas como: “Se você decidir por essa solução, quais são as vantagens e as desvantagens?; Qual resultado você acredita que terá daqui a seis meses?”, diferente da estagnação que seria ouvir, “A solução só pode ser essa!”, escutar e questionar vão ajudá-los no processo de reflexão. Uma pergunta ou sugestão abrem espaço assim para a busca do melhor caminho. O controle emocional é importantíssimo! Nesse momento, evite registros do tipo: “Você não sabe o que está fazendo.”; “Isso não vai dar certo.”É muito melhor dizer: “Porque pensa assim? Já presenciou situações semelhantes em outro lugar? O ideal é que ele reflita sobre vantagens e desvantagens. Sua conversa deve possibilitar esse espaço, que é fundamental para reflexão e deve acontecer em momentos informais, de forma a construir um elo de confiança para ajudá-lo a adquirir uma imagem positiva de si mesmo.

Tags:

COMENTÁRIOS dos leitores