Ryon Braga

Ryon Braga

Aprendizagem na era digital

Perfil: Fundador e Presidente da Hoper Consultoria. Especialista em pesquisas e estudos de mercado no setor de educação.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Eu ensinei... não tenho culpa se ninguém aprendeu

Ryon Bragasex, 05/08/2011 - 10:46

“Eu ensinei, não tenho culpa que ninguém aprendeu”, disse-me recentemente um professor universitário que se orgulhava de ter reprovado 65% dos alunos da turma em sua disciplina. Respondi a ele, mesmo com o receio de ser mal interpretado, o seguinte: professor, com essa afirmação você torna público o quanto você ainda não compreende o real objetivo do ato de ensinar e também o novo momento em que vivemos na educação no Brasil e no mundo.

Em última análise, o que interessa efetivamente é o quanto o aluno realmente aprendeu. O como ensinamos é apenas uma questão circunstancial que deve considerar o conteúdo, os diferentes estilos cognitivos dos estudantes e seu contexto. A responsabilidade do professor, portanto, não é com o ensino, mas sim com a aprendizagem. Por mais simples e óbvio que isto possa parecer, este pensamento ainda não se disseminou nos meios educacionais hodiernos.

No passado recente vivemos na sociedade da informação. Quem detinha mais e melhores informações tinha mais poder e, o papel do professor como um eficiente retransmissor de boas informações se justificava plenamente.

Hoje vivemos na sociedade do conhecimento e o acesso à informação está praticamente universalizado. Retransmitir informações não é mais papel do professor. Já há quem faça melhor esta tarefa.

Cabe agora ao educador, utilizar toda a sua experiência no trato com o conhecimento, para auxiliar seus pupilos a transformar informação em conhecimento; compreendê-lo em profundidade; aplicar este conhecimento na solução de problemas e transferi-lo para outras situações distintas.

A educação formal vive nostálgica do “tempo da informação” e ainda nem sequer conseguiu introjetar o paradigma do conhecimento e já vem sendo “pressionada” pelo novo paradigma: o da aprendizagem.

Não basta sabermos transformar informação em conhecimento, temos que ser capazes de integrar informações, conhecimentos, habilidades e atitudes na solução de distintos problemas a todo momento.

Nesta sociedade, interessa mais quem é capaz de aprender rapidamente como se resolve um dada situação ou problema, do que aquele que já sabe como resolver este mesmo problema, pois amanhã a questão será outra e depois outra e mais outra e sempre com novas nuances, novas informações e novos desafios.

COMENTÁRIOS dos leitores