Quer fazer medicina? Veja dicas para conquistar uma vaga

Professores explicam o que fazer para aperfeiçoar os estudos e ser aprovado em medicina

por Elysa Assis ter, 14/06/20 22 - 10:01
Júlio Gomes/LeiaJá Imagens/Arquivo Garotas apontam para listão de aprovados em medicina na UPE Júlio Gomes/LeiaJá Imagens/Arquivo

Ser aprovado em medicina é o sonho de muitos estudantes, mas para alcançar o objetivo é necessário esforço e organização na hora dos estudos. O curso é um dos mais disputados dos vestibulares e das seleções que usam a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).  

Um dos motivos pelo qual o curso é tão disputado são os benefícios que ele traz. Independente da situação econômica do país, a demanda para médicos é alta, desta forma, a taxa de desemprego é uma das menores do Brasil. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a empregabilidade da área chega a 97%.  

Por isso, para conquistar uma vaga em uma graduação de medicina, é preciso seguida algunslo (USP), Universidade de Campinas (Unicamp) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por exemplo, contaram com uma média de mais de 800 pontos no Enem.  

"Muitos alunos acabam focando bastante as energias em uma prova e deixando as outras um pouco de lado. Então tem que ser um aluno com notas boas em todas em todas as matérias e pensar com mais carinho naquelas que tiverem um peso mais alto. Se na universidade que o aluno for fazer medicina o peso para Ciências da Natureza é quatro e para matemática é dois, então Natureza vai ter que ter um foco mais especial, mas sem deixar a matemática de lado”, orienta Caio.  

Domínio dos assuntos básicos

Para o professor de química Berg Figueiredo, o candidato deve focar nos conteúdos básicos da disciplina, sendo eles fundamentais para o Enem. “O Enem avalia o candidato pelo TRI, a Teoria de Resposta ao Item. Não adianta você acertar as questões difíceis se você erra as questões fáceis. O TRI diminui sua nota, e como medicina é um dos cursos mais concorridos, onde têm as maiores notas, você tem que tomar muito cuidado para não cair no TRI e montar uma boa estratégia em cima disso é fundamental”, destaca Berg.  

Já para André Luiz, professor de biologia, é necessário o estudo de conteúdo específicos, como ecologia, citologia, bioquímica, fisiologia, programa de saúde, além de genética e biotecnologia. Segundo o docente, dominar os conceitos básicos das disciplinas é essencial para acertar uma boa quantidade de questões e se preparar para aprender assuntos mais difíceis.    

Monte um cronograma de estudos

Ter a capacidade de organização é fundamental para que o estudante consiga buscar uma boa nota nas provas como ter um tempo estudar assuntos mais importantes e recorrentes, adotar o hábito de escrever resumos, além de ter um tempo de descanso e lazer.  

Também é importante variar os conteúdos, por exemplo, se por dois dias seguidos você estudou biologia e química, tirar outros dias para se dedicar a Linguagens, afinal, redação é um peso grande independente de qual curso você esteja buscando aprovação.    

Kalyne Soares é vestibulanda de medicina e destaca a importância de um cronograma de estudo para quem deseja se destacar nos vestibulares. “Todo domingo eu organizo os conteúdos que vou estudar durante a semana. Minha rotina, no geral, é bem fixa, o que varia semanalmente são os conteúdos que vou estudar. Por exemplo, de segunda a quarta eu estudo física, história e química e de quinta a sábado eu estudo matemática, linguagens e biologia. Essa é a parte fixa da minha rotina. No domingo, eu sento e organizo como vai ser a correção dos simulados e quais conteúdos preciso dar mais atenção. Anoto tudo e tento deixar o mais real possível. Porque não adianta nada fazer um planejamento incrível, com trilhões de tarefas, com horários super rigorosos, se você não vai fazer aquilo. Eu tento ser o mais real possível em relação a isso”, explica Kalyne.  

Priorizar todas as disciplinas

“O aluno de medicina precisa entender que a realidade do Enem é “horizontal”, então é preciso ter um domínio das matérias de natureza e uma boa redação, mas sabemos que é um diferencial os estudantes terem boas médias de maneira global”, explica Pedro Botelho, professor de história.  

É fundamental entender a importância de todas as matérias para uma aprovação no Enem e vestibulares. Focar apenas em matérias de peso de medicina pode ser um problema, afinal para alcançar um bom desempenho é necessário ter notas altas em todas as matérias.   

Para o professor de física, João Antônio, alguns alunos podem comprometer o seu desenvolvimento nas provas de vestibular por deixar de lado matérias que não são de peso para o curso de medicina.  “Os estudantes que estão no primeiro e segundo ano de cursinho deixam algumas disciplinas de lado e dão prioridade a outras e isso pode ocasionar em uma não aprovação. O aluno deve criar uma rotina de estudo de física bem estrutura, no mínimo duas vezes por semana, a teoria e resolvendo questões”, finaliza o docente. 

Método de estudo

De acordo com as orientações de professores e de estudantes que mantém uma preparação cuidadosa, o estudo pode ser dividido em duas etapas, sendo elas a teoria e os exercícios.  A parte teórica é importante para que o aluno entenda o conceito do assunto, é com esta etapa que nos situa sobre o objeto de estudo.  Além de ser muito importante fazer e corrigir os simulados, e provas antigas, para conhecer o estilo das questões e não ser pego de surpresa. 

Vale ressaltar que, cada aluno aprende de uma forma diferente e não existe um método que funcione com todos. É necessário entender quais métodos se encaixam melhor na sua rotina.

Cuidar do psicológico

Além de todos os passos citados é importante que o vestibulando saiba controlar suas emoções e tenha uma boa saúde psicológica. Os estudos e muitas vezes uma pressão faz com que surjam sintomas de ansiedade, o que pode atrapalhar o desempenho nas provas. 

“Existe uma convenção social no aluno de medicina, onde existe uma cobrança muito mais expressiva e isso pode gerar situações de estresse e ansiedade. O estudante deve, acima de tudo, manter o psicológico dele favorável”, explica o professor de geografia e psicológico clínico, Dino Rangel.  

Ainda segundo o professor, Pedro Botelho, primeiramente deve haver uma preparação física e mental, antes mesmo da parte disciplinar. "Os alunos devem ter essa consciência de controle emocional, um controle dos horários de estudo e de sono”, finaliza Pedro.

COMENTÁRIOS dos leitores