Questionário do Enem é 'covardia', diz Maria Inês Fini

Ex-presidente do Inep opinou sobre a consulta aos estudantes em relação às provas do Enem e garantiu que essa decisão deveria ser tomada pelo Ministério da Educação e não pelos alunos

por Camilla de Assis ter, 23/06/2020 - 09:31
José Cruz/Agência Brasil Maria Inês Fini foi presidente do Inep até janeiro de 2019 José Cruz/Agência Brasil

Em uma entrevista realizada na noite desta segunda-feira (22) ao professor de matemática Darlan Moutinho, a ex-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, categorizou a responsabilidade dos estudantes na escolha das datas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 como "covardia".

Segundo Fini, a decisão deveria ser tomada pelo comandante do Ministério da Educação (MEC). "Perguntar para o jovem quando ele quer fazer aprova é covardia. Isso não é papel de uma pesquisa com a juventude, isso é papel do ministro da Educação, isso é uma decisão política que tem que ser tomada com base nos dados reais", disse a ex-presidenta do Inep.

A opinião, segundo Fini, é com base no momento em que o mundo vem passando. "Ninguém sabe como será o ano letivo até agora", disse. Maria Inês pontuou, ainda, que consulta e decisão são diferentes. "Consulta não é determinação. Consulta você faz, analisa, escreve um artigo, mas a decisão é política, é do gestor", avaliou.

Já sobre a melhor data de realização da prova, Maria Inês Fini aconselhou o mês de maio. "Eu passei o final de semana orientando vários filhos de amigos meus. Por prudência, eu orientaria maio. Acho que houve um erro. Deveria ter sido março. Maio foi colocado exatamente para não ser votado", disse. 

COMENTÁRIOS dos leitores