Não deixe o suor excessivo te atrapalhar no Enem

A hiperidrose é uma patologia que produz suor exagerado no corpo. Especialista diz que nervosismo durante a prova do Enem pode provocar suor, o que pode ser um agravante no desempenho do participante

por Francine Nascimento seg, 28/10/2019 - 10:51
Pixabay Suor excessivo pode até manchar a folha da redação do Enem Pixabay

No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é comum que os estudantes se sintam nervosos a ponto de ficarem com as mãos suadas. Mas o suor excessivo pode não ser apenas sintoma de nervosismo ou ansiedade. Existe uma patologia chamada 'hiperidrose' que causa a transpiração em demasia nas mãos e em outras regiões do corpo, como as axilas.

Causas e consequências

O médico dermatologista Francisco Almeida explica que esse problema provém de um distúrbio nas glândulas sudoríparas, que são justamente as glândulas responsáveis pela produção de suor nos seres mamíferos. Segundo o especialista, essa alteração pode gerar dois tipos de hiperidrose.  “As primárias (as mais comuns) e secundárias (menos frequentes). A hiperidrose primária afeta a região das palmas das mãos, plantas (“solas”) dos pés e axilas. Ela é desencadeada principalmente por emoção ou estresse intenso. Geralmente surge nos momentos em que a pessoa se encontra em suas horas mais ativas do dia, e independe da temperatura ambiente, apesar dos estímulos térmicos poderem agravar a situação, principalmente nas regiões axilares”, esclarece.

Com o suor exagerado, muitas pessoas se sentem constrangidas em fazer coisas simples no dia a dia, como cumprimentar alguém com um aperto de mão, por exemplo. O que pode evoluir até para uma questão psicológica. Contudo, a patologia tem tratamento que pode ser realizado desde com substâncias farmacêuticas até com elementos naturais, como plantas. De qualquer forma, o paciente pode recorrer a um médico especializado.

Dia a dia

Marco Lustosa fará o Enem pela segunda vez este ano. Ciente de que possui hiperidrose, o candidato conta que o suor já o atrapalhou enquanto redigia o texto, tendo até molhado a folha de redação. “Faz anos que tenho esse problema, mas só vim ter conhecimento este ano. No Enem, geralmente fico nervoso e isso já me prejudicou muito. Não com as questões objetivas, porque é mais tranquilo. Mas com a redação, meu suor já molhou a folha no momento em que eu estava escrevendo”, conclui o estudante. Partes ilegíveis são desconsideradas na redação do Enem, o que pode acarretar na perda de pontos na prova. 

O dermatologista Francisco Almeida reitera que com a aproximação da prova, ficar ansioso pode mesmo dificultar. “Neste momento onde os ‘feras’ estão na reta final para a execução das avaliações do Enem, a ansiedade pode ser um fator bastante presente e agravar esta condição, podendo prejudicar o desempenho nas avaliações. Torna-se importante buscar ajuda profissional a fim de que a situação possa ser controlada com segurança”, reforça.

Atendimento específico para o Enem

O que muitos participantes podem não saber é que é permitido levar consigo um material próprio que ajuda na redução da transpiração, como luvas ou uma toalha, no dia da prova do Enem. De acordo com Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o caso está inserido no atendimento específico como “outra condição específica”, onde deve ser informado o CID de hiperidrose no sistema de inscrição. A única exigência feita pelo Inep é os objetos passem por uma vistoria nos dias do exame.

No atendimento específico oferecido pelo Inep, é assegurado ao participante recursos de acordo com a necessidade do estudante. Para quem não solicitou o atendimento específico durante o prazo de inscrição, pode abrir um chamado no ‘Fale Conosco’ na página do estudante no site do Enem ou ligar no telefone 0800-616161 e relatar o problema. O processo deve ser feito o mais rápido possível nessa última semana para a aplicação do Enem.

LeiaJá também

-> Quem tem direito a atendimento especializado no Enem 2019?

COMENTÁRIOS dos leitores