MEC cria nova modalidade do Sisu para vagas remanescentes

Proposta é combater a baixa ocupação de vagas remanescentes em universidades

por Nathan Santos qui, 20/09/2018 - 13:27
Júlio Gomes/LeiaJáImagens/Arquivo . Júlio Gomes/LeiaJáImagens/Arquivo

O Ministério da Educação (MEC) anunciou nesta quinta-feira (20) a criação do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) Transferência. A notícia foi dada em Brasília, durante a divulgação dos dados do Censo da Educação Superior 2017. A novidade, de acordo com a pasta, tenta combater a baixa ocupação de vagas remanescentes em universidades públicas.

O Censo revelou que no ano passado foram oferecidas mais de 10,7 milhões de vagas em cursos de graduação, das quais, 73% eram novas oportunidades. Dessas novas, 90% foram preenchidas em universidades geridas pelo governo federal. No entanto, quando o Censo analisa as remanescentes, o resultado, para o MEC, não é satisfatório.

Segundo conclusão do Censo, 99 mil vagas remanescentes disponibilizadas ano passado, mais as oportunidades oferecidas em anos anteriores, chegam a um número de 2,8 milhões. “Entretanto, 70% dessas vagas remanescentes não foram preenchidas, impedindo que um grande universo de estudantes frequente uma universidade federal sem qualquer custo extra ao Governo”, identificou o MEC.

Para o ministro da Educação Rossieli Soares, o não preenchimento das vagas remanescentes causa malefícios aos cofres federais. “Estas vagas ociosas representam um verdadeiro desperdício de dinheiro público, que vem sendo acumuladas há anos. Com certeza, temos muitos estudantes que sonham em estudar em uma universidade pública, mesmo tendo algum tipo de bolsa ou financiamento em instituição privada”, declarou, conforme informações do site do MEC. 

O Ministério explicou ainda alguns fatores que seriam decisivos para o não aproveitamento das vagas remanescentes. “A alta taxa de desistência nos cursos de graduação, principalmente em cursos de licenciatura, é uma das causas da ampliação de vagas remanescentes. Outro fenômeno está diretamente relacionado ao formato do Sistema de Seleção Unificada, que permite ao participante do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) encontrar o curso possível com a nota alcançada, mesmo que em uma unidade da federação distante de sua residência. O que por um lado promove o acesso, por outro pode estar aumentando o abandono dos cursos quando o mesmo estudante consegue uma opção que considera mais adequada”, analisou o MEC. 

Outra análise traz um recorte referente aos institutos federais. De acordo com o Ministério da Educação, dos 329 mil estudantes que ingressaram nessas instituições de ensino, um quinto participou do Enem de novo, mesmo já estando matriculado. O diretor de estatísticas educacionais do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Carlos Eduardo Moreno Sampaio, afirma que essas mudanças intensificam as desistências.

“Essa é uma evidência de que esses alunos buscam mudar de curso ou instituição, fenômeno que potencializa a desistência do curso e a criação de mais vagas remanescentes”, disse o diretor de estatísticas educacionais.

Apesar do anúncio do Sisu Transferência, o MEC ainda não tem mais detalhes sobre como a nova modalidade funcionará. Ao LeiaJá, a assessoria de imprensa do Ministério adiantou que a proposta ainda será discutida com as instituições de ensino, assim como os critérios seletivos serão definidos. 

COMENTÁRIOS dos leitores