Facebook terá sistema de pagamentos online em Londres

Serviço deve permitir aos usuários fazerem pagamentos via WhatsApp do mesmo modo que trocam mensagens

qua, 08/05/2019 - 08:20
ARUN SANKAR Facebook escolhe Londres como sede mundial para sistema de pagamentos pelo WhatsApp ARUN SANKAR

O gigante americano das redes sociais Facebook escolheu Londres como sede mundial de suas atividades de pagamento on-line, que entrará em funcionamento em breve pelo WhatsApp - informou o aplicativo de troca de mensagens nesta quarta-feira (8).

"Estamos ansiosos para trabalhar com alguns dos melhores especialistas técnicos e operacionais em Londres e Dublin para levar o WhatsApp para sua segunda década", afirmou o diretor de operações Matt Idema, em um breve comunicado.

Segundo o jornal econômico britânico Financial Times, o WhatsApp aumentará seu quadro de funcionários em 25%, contratando cerca de 100 pessoas, principalmente em Londres, mas também em Dublin.

"Essas equipes vão nos ajudar a oferecer pagamentos por WhatsApp e outras funções", comentou Idema.

Este serviço deve permitir aos usuários do app fazer pagamentos do mesmo modo que agora se trocam mensagens, fotos e vídeos. Criado em 2009 e comprado pelo Facebook em 2014, o WhatsApp diz ter mais de 1 bilhão de usuários em mais de 180 países.

Facebook quer lançar seu sistema de pagamentos em vários países este ano. Privilegiou o Reino Unido, porque o WhatsApp é mais popular aqui do que nos Estados Unidos. Além disso, espera, segundo o Financial Times, encontrar em Londres pessoal procedente de diferentes países, em particular Índia, onde o WhatsApp é muito usado.

Este anúncio é uma boa notícia para a capital britânica, que tem grandes ambições em matéria de "fintech", ou tecnologia a serviço das finanças, e que tenta manter seu atrativo empresarial, apesar das incertezas que o Brexit provoca.

Vários gigantes do Vale do Silício anunciaram nos últimos três anos investimentos em Londres, entre eles Apple, Google, Facebook e Snapchat.

A capital britânica também acolhe muitas pequenas empresas de "fintech" como o banco on-line Revolut, ou a plataforma de transferências TransferWise.

COMENTÁRIOS dos leitores