Vírus brasileiro atinge máquinas de cartão e clona dados

Vírus atinge as máquinas de cartão de crédito e débito instaladas em estabelecimentos como postos de gasolina e supermercados

por Nathália Guimarães ter, 13/03/2018 - 09:15
Pexels Kaspersky Lab orienta que os consumidores fiquem atentos ao histórico de transações dos seus cartões Pexels

Pesquisadores da empresa de segurança Kaspersky Lab descobriram que um grupo brasileiro de cibercriminosos criou uma maneira de roubar dados financeiros de consumidores com um vírus que atinge as máquinas de cartão de crédito e débito instaladas em estabelecimentos como postos de gasolina e supermercados. Desta forma, os golpistas conseguem fazer a clonagem e realizar compras em nome das vítimas.

Chamado Prilex, o vírus é capaz de modificar o software das máquinas de cartão para permitir que um hacker capture os dados transmitidos para o banco. Ao realizar um pagamento em um terminal infectado, a vítima tem suas informações financeiras sigilosas transferidas imediatamente para os criminosos, informa a Kaspersky Lab.

O vírus se espalha na internet através de arquivos enviados por e-mail. Ao ser instalado no computador, o arquivo malicioso solicita uma atualização através de um servidor remoto e um código altera as configurações das maquininhas de cartões de crédito.

Com as informações, os criminosos podem gerar cartões válidos, tanto de crédito quanto de débito, com ou sem chip. Realizando todo o processo, eles nem precisam saber a senha do cartão clonado, pois a maquineta processa como correto qualquer código de quatro dígitos inserido ao concluir a compra.

Para evitar cair no golpe, a Kaspersky Lab orienta que os consumidores fiquem atentos ao histórico de transações dos seus cartões e, caso notem gastos suspeitos, entrem em contato com o seu banco o mais rápido possível.

Outra dica é optar por métodos de pagamento que utilizam o celular em vez do cartão, como o Android Pay (já disponível no Brasil) ou Apple Pay. Os consumidores mais precavidos podem ainda usar um cartão separado apenas para pagamentos pela internet.

LeiaJá também

--> Mulheres são maiores vítimas de perfis falsos na internet

COMENTÁRIOS dos leitores