Gravadora processa Spotify em US$ 1,6 bilhão

Wixen Music Publishing alega que o serviço de streaming usa milhares de músicas sem as adequadas licenças

por Nathália Guimarães qua, 03/01/2018 - 09:11
Paulo Uchôa/LeiaJáImagens/Arquivo Processo contra o Spotify foi arquivado na Califórnia, nos EUA Paulo Uchôa/LeiaJáImagens/Arquivo

A gravadora Wixen Music Publishing, que representa cerca de 200 artistas, incluindo Tom Petty, Neil Young, The Beach Boys, Missy Elliott e Janis Joplin, está processando o Spotify em US$ 1,6 bilhão, de acordo com relatórios da revista Variety. O processo foi arquivado na Califórnia (EUA), e alega que o serviço de streaming usa milhares de músicas sem as adequadas licenças.

"A tentativa do Spotify de licenciar gravações musicais trabalhando com selos de gravadoras, em uma corrida para ser o primeiro no mercado, resultou em esforços insuficientes para coletar as informações das composições musicais exigidas e, assim, falhou em muitos casos para licenciar as composições," explica a Wixen, na ação contra o Spotify.

"Como resultado, o Spotify construiu um negócio de bilhões de dólares nas costas de compositores e editores cuja música o Spotify está usando, em muitos casos, sem obter e pagar as licenças necessárias", continua a gravadora. Em resposta, o Spotify apresentou documentos judiciais questionando se os clientes da Wixen haviam autorizado a empresa a tomar essa ação.

LeiaJá também

--> Concorrente do Spotify, Tidal pode estar perto da falência

COMENTÁRIOS dos leitores