Medicamento com chip rastreável é aprovado nos EUA

Sensor acoplado ao remédio informa quando a pílula foi ingerida por meio de um app

por Nathália Guimarães ter, 14/11/2017 - 11:09
Divulgação/Proteus Digital Health Sistema avisa quando o medicamento foi tomado Divulgação/Proteus Digital Health

A FDA, órgão norte-americano equivalente à Anvisa, aprovou pela primeira vez nos EUA uma pílula digital rastreável. A novidade é equipada com um pequeno sensor ingerível acoplado ao medicamento aripiprazol para transmitir dados sobre a medicação para um aplicativo de smartphone. O antipsicótico já é usado para o tratamento de distúrbios mentais, como esquizofrenia, depressão e transtorno bipolar.

O sistema avisa quando o medicamento foi tomado e possui um sensor do tamanho de um grão de areia feito de silício, cobre e magnésio. Um sinal elétrico é ativado quando o remédio entra em contato com o ácido do estômago. Para que tudo funcione, o paciente precisa usar adesivo próximo à sua caixa torácica. O acessório então envia os dados para um aplicativo de smartphone no qual o médico tem acesso.

O adesivo também registra níveis de atividade, padrões de sono e a frequência cardíaca do paciente. Ele deve ser substituído a cada sete dias. Além do médico responsável pelo tratamento, o usuário pode escolher até quatro pessoas, incluindo membros da família, para receber as informações enviadas via aplicativo.

A pílula foi liberada nos EUA após anos de pesquisa e é um empreendimento entre a empresa farmacêutica japonesa Otsuka e o serviço de medicina digital Proteus Digital Health, que faz o sensor. Os especialistas, porém, expressaram preocupações sobre o que a novidade pode significar para a privacidade dos pacientes.

LeiaJá também

--> Drink virtual engana usuário ao transformar água em vinho

COMENTÁRIOS dos leitores