Nacional Ceará Paraíba Pará Pernambuco São Paulo

Acionistas querem afastar Mark Zuckerberg do Facebook

Uma proposta foi apresentada afirmando que um gestor independente seria mais capaz de supervisionar os executivos da companhia

por Nathália Guimarães ter, 07/02/2017 - 10:47
Josh Edelson/AFP Mark Zuckerberg, cofundador e presidente-executivo do Facebook Josh Edelson/AFP

O Facebook está sendo pressionado por um grupo de acionistas que buscam o afastamento do presidente-executivo, Mark Zuckerberg, do conselho de diretores. Uma proposta foi apresentada afirmando que um gestor independente seria mais capaz de supervisionar os executivos da companhia, melhorar a governança corporativa e estabelecer uma agenda mais responsável e pró-acionista.

A proposta vem dos acionistas do Facebook que são membros do grupo de vigilância de consumidores SumOfUs. A organização faz campanhas para responsabilizar as corporações em uma variedade de questões globais, como mudanças climáticas, direitos dos trabalhadores, discriminação, direitos humanos, corrupção e poder corporativo.

A assessora de mercado de capital da SumOfUs, Lisa Lindsley, disse ao site VentureBeat que 333 mil pessoas assinaram a petição solicitando que o Facebook melhore sua cidadania corporativa, mas apenas 1,5 mil eram verdadeiros acionistas da empresa. "As ações detidas por quatro membros da SumOfUs nos permitiram registrar esta proposta", disse ela.

A proposta de tirar Zuckerberg da presidência da diretoria ganhou força depois que ele e sua esposa, Priscilla Chan, anunciaram a venda de 99% das ações da sua família para vários grupos com intenção de fazer caridade. Na ocasião, o comitê da diretoria do Facebook aceitou criar uma nova classe de ativos para permitir que Zuckerberg continue tendo controle majoritário da empresa.

Ainda é uma incógnita se o Facebook vai aceitar a demanda do grupo, especialmente porque Zuckerberg é um dos maiores acionistas e poderia recusar a proposta facilmente, juntamente com outros investidores aliados. A companhia se recusou a comentar sobre a proposta.

LeiaJá também

--> Lucro do Facebook dispara 177% em 2016

COMENTÁRIOS dos leitores