Olavo de Carvalho: não me meto mais na política brasileira

O professor foi pivô de algumas polêmicas no governo, uma delas envolvendo a ala militar e o general Carlos Alberto Santos Cruz, a quem chegou a chamar de fofoqueiro e difamador

qui, 16/05/2019 - 10:32
Josias Teófilo Josias Teófilo

O professor Olavo de Carvalho, considerado uma espécie de guru do presidente Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que vai parar de “se meter” na política do Brasil. Desde que Bolsonaro assumiu o comando do país, Olavo vem causando polêmica por seus posicionamentos críticos a alguns integrantes do governo, entre eles os militares, como o ministro da Secretaria do Governo, general Carlos Alberto Santos Cruz, a quem chegou a chamar de fofoqueiro e difamador.

“Eles querem me tirar da parada? Tiraram. Eu vou ficar quietinho agora, não me meto mais na política brasileira. O Brasil escolheu o seu caminho. Escolheu confiar em pessoas que não merecem a sua confiança e, agora, vai se danar”, afirmou em entrevista, nessa quarta-feira (16), ao site Crítica Nacional.

Olavo disse que a sua participação na política ficou insustentável porque tentaram tapar sua boca e bloquearam, segundo ele, inclusive sua página oficial no Facebook.  Desde o último dia 13, não há publicações nas redes sociais de Olavo. As ferramentas eram usadas por ele como formas de disparar contra os membros do governo Bolsonaro.

"O que eu estou fazendo, estou decidindo hoje, é me ausentar temporariamente do debate político nacional, do dia a dia, das miudezas das política, porque se tornou uma coisa absolutamente insustentável. Tamparam minha boca. Não tem problema. Vocês se virem aí, fiquem com o Santos Cruz”, ironizou.

Ainda na entrevista, Olavo de Carvalho negou que tenha criado grupos com influência no governo de Bolsonaro. "Quem sou eu nessa história toda? Esse grupo olavista jamais existiu. Não existe nada disso. A minha influência é a influência de escritor sobre um público difuso que não tem nenhum contato entre si. Não há organização, não há diálogo, não há membros. O Brasil está vivendo embaixo de uma alucinação, isso virou uma palhaçada", declarou.

COMENTÁRIOS dos leitores