“Violência não se combate com armas”, diz Paulo Câmara

Governador sancionou, nesta quarta (15), a Lei de Prevenção Social ao Crime e à Violência. A iniciativa prevê, entre outras ações, a oferta de 30 mil vagas em cursos profissionalizantes para jovens em situação de vulnerabilidade

qua, 15/05/2019 - 15:56
Heudes Regis/SEI Entre as ações anunciadas por Câmara está a oferta de 30 mil vagas para cursos profissionalizantes e preparatórios Heudes Regis/SEI

Pernambuco deu um passo importante para o fortalecimento e humanização das políticas de combate e prevenção à violência. Nesta quarta-feira (15), o governador Paulo Câmara sancionou a Lei Ordinária nº 130/2019, de Prevenção Social ao Crime e à Violência, que visa propor e articular novos programas e estratégias para esse importante setor da sociedade.

 Entre as ações da nova legislação está a oferta de 30 mil vagas para cursos profissionalizantes e preparatórios, através do Programa Juventude Presente, e a instituição do Observatório de Prevenção à Violência. O Programa Pernambuco pela Prevenção - criado a partir dessa lei - é resultado desse novo olhar que o governador procurou fortalecer no Estado quando criou uma secretaria para cuidar especificamente das pessoas em situação de vulnerabilidade social.

"O Brasil está passando por uma agenda que não concordamos, e eu preciso reafirmar isso: eu sou contra o aumento de circulação de armas, isso só vai aumentar a violência. E violência não se combate com mais armas. Violência se combate com prevenção e oportunidades. Essa é a agenda de Pernambuco”, defendeu Paulo Câmara, destacando o compromisso do Estado em ofertar novos caminhos de desenvolvimento para as futuras gerações.

 “Olhar a prevenção dessa forma é garantir a presença do Estado nessas áreas vulneráveis. É mostrar para essas pessoas, principalmente para a juventude, que há caminhos e saídas. E essa lei sistematiza isso”, frisou.

 O chefe do Executivo reforçou ainda a importância da integração entre instituições dos poderes público e privado na disseminação dessas práticas. “Vamos ocupar cada vez mais Pernambuco. Em todas as áreas vulneráveis vamos ter gente buscando dar condições, buscando mostrar o caminho da educação e da qualificação. Essas 30 mil vagas vão ajudar muita gente a ter um horizonte. Esse é o nosso objetivo quando instituímos uma lei como essa, que é pioneira”, pontuou.

 O Observatório de Prevenção à Violência será composto por pesquisadores, representantes da universidade e outros estudiosos, visando a enriquecer o debate e aprimorar a prevenção social ao crime. Os territórios prioritários de atuação receberão 60 ações de acesso à cidadania e direitos, em modelo de mutirão, incluindo ações de emissão de documentos, atendimento em saúde, informações sobre cursos de qualificação, direitos do consumidor, apresentações culturais, entre outros. As ações terão atuação em 54 territórios prioritários, localizados em 13 municípios da Região Metropolitana e Interior do Estado, com a implantação de 12 Núcleos de Prevenção Social base territorial, oferecendo um leque de opções de cultura, lazer e esportes, incentivando a cultura de paz entre os jovens.

LeiaJa também

--> Após decisão do STJ, Temer deixa prisão em São Paulo

--> “Ciro não engana ninguém”, diz Carla Zambelli

--> João Campos diz que 'falta foco' no governo Bolsonaro

COMENTÁRIOS dos leitores