Suspeito de matar Marielle recebeu R$ 100 mil, aponta Coaf

O depósito foi feito em dinheiro e aconteceu sete meses após o crime que vitimou a vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes

sex, 15/03/2019 - 11:35
Reprodução/Facebook/Marielle Franco Ronnie Lessa é suspeito de ter disparado os 13 tiros que atingiram o carro da vereadora Reprodução/Facebook/Marielle Franco

Um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou um depósito no valor de R$ 100 mil, em dinheiro, na conta do policial reformado Ronnie Lessa, preso nesta semana suspeito de participar do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes.

O Ministério Público citou esse relatório em um pedido de bloqueio dos bens de Lessa e do ex-PM Élcio Queiroz, que também está preso. A denúncia diz que Élcio estaria dirigindo o carro que perseguiu Marielle e Lessa seria o autor dos 13 disparos.

O Coaf apontou que o depósito foi feito na boca do caixa no dia 9 de outubro do ano passado, ou seja, sete meses após o crime. Além desse relatório, o Ministério Público cita no pedido uma lancha, apreendida em Angra dos Reis (RJ), em nome de uma pessoa que possivelmente seria laranja de Ronnie Lessa.

No pedido também consta os automóveis do PM reformado e a casa dele, que fica localizada em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca. De acordo com o Ministério Público, tudo isso seria incompatível com a renda de um policial militar.

Para garantir a indenização por danos morais e materiais às famílias da vereadora e do motorista, o Ministério Público pediu o bloqueio dos bens. Lessa e Queiroz devem ser levados para depor ainda nesta sexta-feira (15) sobre o atentado do dia 14 de março de 2018.

Após prestarem depoimento, ambos devem ser levados para Bangu 1, onde vão aguardar a transferência para um presídio federal.

COMENTÁRIOS dos leitores