Delegado do caso Marielle fará intercâmbio na Itália

A ideia do intercâmbio foi do governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, que vai nomear outro delegado para seguir com as investigações do caso

qua, 13/03/2019 - 15:24
Daniel Ramalho/AFP O delegado irá para a Itália estudar máfia e movimentos criminosos Daniel Ramalho/AFP

O delegado Giniton Lages, que é responsável pela primeira fase da investigação sobre as mortes da vereadora Marielle Franco (PSOL) e o seu motorista, Anderson Gomes, vai deixar o trabalho a partir da segunda fase de apuração sobre os crimes.

Quem confirmou a informação foi governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), nesta quarta-feira (13) - um dia após dois homens terem sido presos suspeitos de terem cometido o crime.

O governador afirmou que o delegado fará um intercâmbio na Itália que terá quatro meses de duração. O afastamento é uma espécie de prêmio pelo trabalho realizado durante quase um ano à frente da Delegacia de Homicídios do Rio.

Na Itália, Lages estará estudando e se recuperando da “exaustão” causada durante o tempo que passou na delegacia. A ideia do intercâmbio foi do próprio Witzel. “Convidei porque ele está cansado, esgotado. É uma investigação que teve um certo esgotamento da pessoa. Como ele está com a experiência adquirida e nós estamos com o intercâmbio com a Itália exatamente para estudar máfia e movimentos criminosos, ele vai fazer essa troca com a política italiana”, explicou o governador.

A partir de agora, a segunda fase da investigação do assassinato de Marielle e Anderson se concentrará em descobrir quem foi o mandante do crime. O nome do delegado que estará comandando essa parte do trabalho ainda não foi divulgado.

COMENTÁRIOS dos leitores