Camilo: Déficit de Estados deve ser incluído na reforma

O governador do Ceará destacou que há unanimidade entre os governadores sobre a necessidade da reforma, mas disse que a discussão não pode ficar centrada apenas no déficit da União

qua, 20/02/2019 - 15:53
Chico Peixoto/LeiaJáImagens/Arquivo Chico Peixoto/LeiaJáImagens/Arquivo

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), disse nesta quarta-feira (20) que o déficit da previdência dos Estados precisa ser incluído na proposta de reforma apresentada pelo governo. Santana destacou que há unanimidade entre os governadores sobre a necessidade da reforma, mas disse que a discussão não pode ficar centrada apenas no déficit da União.

Santana afirmou ainda que as questões regionais devem ser consideradas na proposta de reforma da Previdência. "A economia do Norte e do Nordeste gira em torno dos pagamentos do INSS", ponderou ele.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), também frisou que a mudança no Benefício de Prestação Continuada (BPC) precisa ser repensada para não prejudicar os trabalhadores mais pobres. "Esse é o pior dos mundos. A pior reforma é aquela que a gente não consegue aprovar. É melhor ter algo em que a gente consiga mais consenso para aprovar alguma coisa", disse.

O governador do Amazonas, Wilson Miranda Lima (PSC), falou que alguns temas da reforma da Previdência precisam ser mais discutidos com governadores e categorias de trabalhadores, como policiais e professores. Lima disse ainda que um grupo de governadores vai levantar uma série de ações emergenciais que a União possa fazer para ajudar os Estados mais deficitários.

"A mudança no BPC pode prejudicar os mais pobres no Norte e Nordeste", disse o governador do Amazonas. "A questão dos trabalhadores rurais também precisa ser melhor discutida."

O governador do Amapá, Waldez Goés (PDT), disse que o governo deveria ter apresentado a proposta de reforma da Previdência antes. Segundo ele, houve duas reuniões de governadores antes da apresentação. Se eles já conhecessem o texto final, poderiam apresentar sugestões de mudanças, disse o governador.

"Cada Estado vai fazer a sua análise para que a gente tire um consenso daqui", afirmou. "Não estamos saindo daqui contra a PEC da Previdência, mas precisamos de um tempo para analisá-la."

COMENTÁRIOS dos leitores