Boulos: Esquerda deve dialogar com eleitores de Bolsonaro

De acordo com o presidenciável, o direcionamento da maioria dos jovens que se colocam como eleitores do deputado federal não encontraram esperança nos projetos políticos da esquerda

por Giselly Santos sab, 30/06/2018 - 18:52
Júlio Gomes/LeiaJáImagens Guilherme Boulos já chegou a dizer que o adversário não tem chances de ser eleito Júlio Gomes/LeiaJáImagens

Protagonista de embates constantes com o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), o pré-candidato do PSOL à Presidência da República, Guilherme Boulos, pregou, neste sábado (30), que os militantes da esquerda devem praticar o exercício do diálogo com os jovens que se colocam alinhados a extrema direita e declaram votos a Bolsonaro. O apoio ao adversário, que lidera as pesquisas de intenções de votos, na avaliação de Boulos é pela falta de ousadia nos projetos apresentados pelos candidatos de esquerda. 

“A esquerda precisa dialogar com os jovens que se dizem de extrema direita e eleitores de Bolsonaro, ao invés de chamar de 'fascistas não passarão’. Fascista é Bolsonaro, não quem diz que está votando nele. Uma parte é, mas não a maioria. O jovem tomou essa atitude porque não viu em nós uma esperança. Por isso que temos que ousar”, salientou Boulos, em passagem pelo Recife para debater propostas do plano de governo para a área de assistência social.

Para o presidenciável, as velhas práticas eleitorais e políticas de alianças reproduzem a desesperança da juventude e fecha o espaço para novas propostas. 

“Minha candidatura representa o desafio de ousar. Ir além da resistência. [...] Não dá mais para fazer política do mesmo jeito. Isso gerou desesperança. O jeito de fazer alianças por tempo de tv, alianças com golpistas é descabido e inadmissível [para os partidos de esquerda], não podemos aceitar no nosso campo práticas que contribuam para a desesperança. Quem reproduz essas velhas práticas não pode dizer um ‘aí’ para essa juventude que quer votar em um cidadão como Bolsonaro”, disparou.

Apesar de Bolsonaro estar na liderança das pesquisas, Guilherme Boulos já chegou a dizer que o adversário não tem chances de ser eleito. “Eu tenho segurança que ele não será eleito, mas ele se aproveita que o povo está inseguro, com medo. O Bolsonaro entra aí, bate na mesa, fala que vai dar arma pra todo mundo e, como há desesperança no Brasil, esse discurso cola”, pontuou em entrevista recente. 

COMENTÁRIOS dos leitores