Rodrigo Maia: “Eu defendo a reforma da Previdência”

O presidente da Câmara dos Deputados, cogitado para ser candidato a presidente do país, disse que essa será “sem dúvida” a mais profunda reforma social do Brasil

por Taciana Carvalho qua, 10/01/2018 - 17:44
Paulo Uchôa/LeiaJá Imagens/Arquivo Paulo Uchôa/LeiaJá Imagens/Arquivo

Cogitado para ser candidato a presidente da República pelo DEM, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, não se incomoda ao falar sobre a reforma da Previdência, que resultou em diversos protestos no ano de 2017 junto à reforma Trabalhista e outras. Em uma publicação em seu Facebook, o democrata fez diversos argumentos de forma a explicar porque é a favor da proposta. 

“Eu defendo a reforma da Previdência, pois sem dúvida será a mais profunda reforma social do Brasil. E defendo também a criação de uma Agenda Social com metas, indicadores de resultados e monitoramento da população sobre cada meta. Uma agenda que priorize cinco urgências: saneamento, moradia segura, educação de qualidade, saúde e segurança pública. Não é mais possível que o país gaste o imposto de forma irresponsável”, salientou. 

Maia falou que o Brasil gasta demais. “Há muitos anos, o Brasil gasta demais e gasta mal. Usa os recursos de impostos pagos por todos os brasileiros sem responsabilidade real com resultados e transformações. Gastar mal é um dos mais graves símbolos da falta de solidariedade dos governos com a população. São bilhões de reais com estatais ineficientes e desnecessárias e com obras mal feitas, abandonadas e sem planejamento”. 

O presidente ressaltou, ainda, que “é desumano deixar a desigualdade prosperar sem haver uma agenda de resultados que combata a extrema pobreza, que consolide uma nova forma de governar e gerenciar recursos públicos que resolvam, de fato, os problemas da população”. 

O discurso de Maia se assemelha ao que vem sendo utilizado pelo presidente Michel Temer (PMDB), que também não se mostra incomodado ao falar sobre o assunto. O peemedebista chegou a defender a aprovação da reforma da Previdência até mesma na noite de Natal do ano passado. Ele falou que a proposta não era uma questão ideológica ou partidária, “mas uma questão do futuro do país e para garantir que os aposentados de hoje e os de amanhã possam receber suas pensões”.

Maia já informou que a discussão e a votação da reforma da Previdência, no plenário da Câmara, ficou para fevereiro. 

 

 

COMENTÁRIOS dos leitores