Ivan diz que está 'disposto' a ser candidato a governador

"A gente não pode sair por aí dizendo que vamos para o segundo turno, está muito cedo para isso, mas temos toda a condição de fazer uma campanha belíssima", declarou o vereador

por Taciana Carvalho seg, 27/11/2017 - 16:21
Reprodução/Facebook Reprodução/Facebook

O vereador do Recife Ivan Moraes (PSOL), em menos de um ano exercendo pela primeira vez um cargo político, já é o principal cotado para disputar pela legenda a vaga de governador de Pernambuco no próximo ano. O advogado sindical Jesualdo Santos é o outro nome que surgiu. Em entrevista concedida ao LeiaJá, nesta segunda-feira (27), Ivan foi categórico ao falar sobre o pleito: “Eu estou disposto. A gente não pode sair por aí dizendo que vamos para o segundo turno, está muito cedo para isso, mas temos toda a condição de fazer uma campanha belíssima, que toque os corações das pessoas e faça com que elas percebam que é fundamental participar da política”. 

O jornalista, que foi o primeiro vereador do PSOL a conseguir uma cadeira na Câmara Municipal do Recife, contou que desde o início do ano vem sendo procurado por lideranças do partido para debater sobre a eleição. “Ao longo dos anos, eu vinha sendo procurado por algumas lideranças do partido com a demanda de assumir o compromisso de tocar a chapa majoritária. Era uma decisão difícil, que precisou de muita conversa para ser tomada e, na semana passada, conseguimos dar essa resposta aos dirigentes do partido: que a gente está disposto, caso haja naturalmente um consenso e caso haja o respaldo da direção do partido, que ainda não tomou posse”. 

“Primeiro, o partido precisa definir quem será o seu candidato. Caso seja, eu vou começar a trabalhar, caso seja Josualdo, vou prestar o apoio que ele precisar para construir o programa”, reiterou. 

Ivan se mostra confiante e otimista afirmando que o PSOL tem todas as condições de realizar uma “campanha bonita” e que atraía pessoas para participarem da política. Para que isso seja possível, Ivan garantiu que pretende desenvolver um programa objetivo, progressista, de esquerda e democrático para o estado. “Agora, o tamanho da nossa campanha, até onde a gente vai do ponto de vista do sucesso eleitoral, quantos votos a gente vai ter está mais do que cedo para pensar nisso. A gente não pode botar o carro na frente dos bois”. 

Campanha

Caso seja confirmado seu nome, Ivan Moraes quer mostrar que dá para fazer diferente na política. “Daqui a 10, 20, 30 anos no socialismo que a gente vai construir é outra coisa, mas agora é possível gerir o recurso público com mais competência hoje e dá para inverter prioridades, então a gente vai ter esse desafio com pouco recurso, pouco tempo de televisão, mas com muita vontade de trazer mais gente para discutir política. Eu, pessoalmente, acredito muito na transformação da política e ela só se dá se a gente meter a cara”. 

Ivan falou que é preciso um bom discurso e viajar pelo estado para apresentar o programa para toda a sociedade. Diferente dos demais, disse que seu projeto será real. “Todos sonham com um país e um estado muito distante que a gente vive, mas a gente tem obrigação, enquanto partido político, de mostrar à sociedade um plano factível, real, objetivo, que dê para completar em 4 anos e que seja honesto com a sociedade”. 

“Se botarem a gente na cabeça da chapa, vamos lá fazer uma discussão bonita, ganhar o estado, debater e dizer a sociedade que não precisa votar sempre nos mesmos caras, que dizem as mesmas coisas, que ficam competindo para ver quem promete mais e quando são eleitos continuam fazendo o que sempre fizeram”, prometeu.

Mídias sociais

Ele ainda ressaltou que utilizou muito as mídias sociais na campanha do ano passado, mas que o mais importante será estar cara a cara com o povo.  “Qualquer proposta que saía de construir uma candidatura de esquerda, com pouco recurso, precisa contar muito com a mídia social, mas ela precisa mais ainda contar com o encantamento das pessoas. Muito mais importante do que saber usar o Facebook, por exemplo, é você estar em espaços públicos e visíveis mostrando para cada vez mais pessoas que é possível mudar a política, muito mais importante é pisar no chão”, enfatizou. 

“Se uma repórter tivesse me entrevistado há três anos e tivesse perguntado se é possível competir de igual para igual com a rapaziada que chega a gastar milhões na campanha para entrar na Câmara de Vereadores, por exemplo, eu não saberia o que responder, mas a história que eu venho construindo junto com muita gente, organizações sociais, e a sociedade civil está mostrando para a gente quem tem rock”, complementou Ivan. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS dos leitores