Aos 45 anos, morre o ex-vereador Paulinho Fonteles

Militante do PCdoB foi internado com broncopneumonia e sofreu infarto fulminante. Paulinho era filho da professora Hecilda Veiga e do ex-deputado Paulo Fonteles, assassinado a tiros em 1987, e um ativista em defesa dos direitos humanos.

qui, 26/10/2017 - 18:14
Facebook Paulinho Fonteles deixa um legado de luta pelos direitos humanos Facebook

O ex-vereador Paulo Fonteles Filho morreu na manhã desta quinta-feira (26), em Belém (PA), vítima de um infarto fulminante, aos 45 anos. Ele era membro da Comissão da Verdade do Pará, presidente do instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos, escritor, poeta e blogueiro. Paulinho, como era conhecido, foi diagnosticado com broncopneumonia, no início de outubro, e estava internado havia cerca de 15 dias.

O ativista político era filho do ex-deputado estadual, advogado, professor e sindicalista Paulo Fonteles, fundador da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos, assassinado a tiros em 1987. Sua mãe, a socióloga Hecilda Veiga, foi presa em agosto de 1978, grávida, durante a ditadura, e torturada desde o quinto mês de gestação, enquanto era mantida em cativeiro pelos militares. Paulinho nasceu no cárcere.

O ex-vereador iniciou a carreira política aos 29 anos, participando da 14ª e 15ª legislatura da Câmara Municipal de Belém, que correspondem ao ano de 2001/2008, pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Apesar de ter militado no PCdoB desde sua juventude, Paulinho se filiou ao Partido dos Trabalhadores no ano de 2007.

Como membro do Comitê Paraense pela Verdade, Memória e Justiça, Paulinho participou da luta pelas investigações de casos de tortura, assassinatos, desaparecimentos forçados e ocultação de cadáveres envolvendo paraenses ou pessoas que moravam no estado durante o regime militar. À frente do Instituto Paulo Fonteles, atuou na promoção e defesa dos direitos humanos e denunciou a violência contra posseiros.

Nas redes sociais, amigos e admiradores do ativista prestaram homenagens. Pelo Facebook, a ex-governadora do Pará e recém filiada ao PCdoB, Ana Júlia Carepa, contou que está profundamente triste com a partida do companheiro de partido. “Um jovem que se dedicou a lutar pelos direitos humanos e pela democracia e contra o tenebroso momento de crescimento de ódio e intolerância no nosso Pará e no Brasil”, disse.

A jornalista e blogueira Franssinete Florenzano lamentou a morte do amigo, e prestou condolências à família de Paulinho. “Não tenho palavras para descrever minha emoção e profunda tristeza por ter perdido os dois amigos, pai e filho. Como pai, Paulinho viveu intensamente”, afirmou em seu blog na internet.

O PCdoB também divulgou nota de pesar. “Hoje é um dia de muita tristeza. O PCdoB está de luto, e todas as nossas atividades suspensas. Paulinho era um dos melhores entre nós. Amigo, companheiro, solidário, altaneiro, abnegado, dedicado à luta do povo, pondo sua vida constantemente em risco na defesa dos direitos humanos num estado dominado pelo latifúndio e pela pistolagem”, disse.

O velório ocorre na Assembléia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), na Praça Dom Pedro I, na Cidade Velha. O enterro será nesta sexta-feira (27), no cemitério Santa Izabel, na avenida José Bonifácio, às 10 horas.

Por João Paulo Jussara.

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS dos leitores