'Valorizem os seus pais enquanto estão aqui', diz Silvio

O deputado federal diz que o Dia dos Pais é um misto de felicidade e de saudade

por Taciana Carvalho dom, 13/08/2017 - 12:56
Brenda Alcântara/LeiaJáImagens/Arquivo . Brenda Alcântara/LeiaJáImagens/Arquivo

O Dia dos Pais, comemorado neste domingo (13), está rendendo muitas homenagens, encontros e fraternidade. No entanto, para alguns também é dia de saudade e de reflexão. É o caso do deputado federal Silvio Costa (PTB). Para ele, a data festiva traz dois sentimentos marcantes: a saudade do pai falecido, seu Severino Serafim, mas também de felicidade por ter criado quatro filhos. “Valorizem os seus pais enquanto estão aqui”, pediu.

“Para mim, esta é uma data dualista. É o dia do sim e do não. Do não por um motivo muito simples porque eu lembro muito do meu pai, que foi um trabalhador rural. Quando eu nasci, ele cortava cana de um engenho no município de Rio Formoso e ele sempre foi o meu ídolo. Então, eu tenho muita saudade. Meu pai foi o meu catalizador. Ele não conseguiu me ver em Brasília, na Câmara Federal, lamentavelmente, mas gostaria muito que ele tivesse. Eu sinto uma falta dele muito grande. As pessoas acham que sou bravo, mas sou uma pessoa muito emotiva. Por isso eu peço, valorizem os seus pais enquanto estão aqui”, declarou.

O parlamentar também disse que se sente privilegiado. “Mas também é um dia feliz por conta dos meus filhos e netos. Sou muito privilegiado. Eu tenho quatro filhos maravilhosos. Tive muita sorte na minha vida. Eu tenho uma relação ímpar. Claro que temos temperamentos diferentes dos meus quatro filhos, mas sempre estive ao lado deles. Então, é um dia que tem essa característica. Uma saudade imensa do meu pai e uma felicidade imensa por estar com os meus filhos e os meus netos”. 

Dos filhos, apenas um, o deputado estadual Silvio Costa Filho (PRB), seguiu sua carreira. “Quando entrou na universidade, se tornou presidente do diretório acadêmico e começou a pratica política. Não fui eu que pediu para ele entrar na vida pública. Foi ele que quis entrar porque a sociedade tem algo interessante. Quando o filho de um médico quer ser médico, a sociedade aplaude, acha natural ou quando é um filho de jornalista. Agora quando um filho de político quer ser político, as pessoas olham meio estranho achando que foi o pai que pediu. Eu acho a coisa mais natural do mundo o filho de um político querer entrar na política porque convive todo dia”, disse.

COMENTÁRIOS dos leitores