Sérgio Cabral é denunciado pela 11ª vez na Lava Jato

O ex-governador do Rio de Janeiro está preso desde novembro do ano passado

por Taciana Carvalho seg, 19/06/2017 - 18:09
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Após ter sido condenado há mais de 14 anos de prisão, na semana passada, o ex-governador do Rio de Janeiro (PMDB) Sérgio Cabral pode ter sua situação agravada. Ele e sua esposa, Adriana Ancelmo, foram alvo da 11ª denúncia na Operação Lava Jato.  Desta vez, eles são acusados de comprar mais de R$ 4 milhões em joias na joalheria H. Stern. 

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a aquisição dessas joiais “tinha a finalidade de converter o dinheiro recebido a título de propina em ativo lícito e também para ocultar o real proprietário do bem”. No entanto, os advogados da mulher de Cabral já chegou a dizer que a H.Stern mente ao atribuir as peças valiosas a ela. 

Além do ex-governador e de Adriana, os operadores Carlos Miranda e Luiz Carlos Bezerra foram apontados pelo MPF como operadores financeiros do esquema. Sérgio Cabral está preso desde novembro do ano passado, quando foi deflagrada a Operação Calicute. Já a ex-primeira-dama cumpre prisão domiciliar desde o final do mês de marco. Ela conseguiu liminar concedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Condenado – Na denúncia em que Cabral foi condenado por Sérigio Moro, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, ele  também terá que pagar uma multa de aproximadamente R$ 528 mil. 

Na sentença, Moro declarou que não há ofensa mais grave do que trair a confiança do povo. "A responsabilidade de um Governador de Estado é enorme e, por conseguinte, também a sua culpabilidade quando pratica crimes. Não pode haver ofensa mais grave do que a daquele que trai o mandato e a sagrada confiança que o povo nele deposita para obter ganho próprio", escreveu no documento. 

COMENTÁRIOS dos leitores