Nacional Ceará Paraíba Pará Pernambuco São Paulo

Miguel Coelho quer o Velho Chico sem resíduos em Petrolina

O prefeito determinou a retirada de 3.500 toneladas de baronesas e resíduos do Velho Chico. A ação iniciou nesta segunda (20)

por Taciana Carvalho seg, 20/03/2017 - 20:04
Reprodução/Facebook Reprodução/Facebook

Buscando o que chamou de “preservação do ecossistema” do Rio São Francisco, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), determinou a remoção de 3.500 toneladas de baronesas e resíduos do Velho Chico. A ação, que iniciou nesta segunda (20), faz parte do projeto Orla Nossa. De acordo com o socialista, diversas atividades visando preservar o meio ambiente irão acontecer nos próximos meses. 

O gestor explicou que, após essa etapa será feita um tratamento biológico e de oxigenação do rio. Coelho afirmou que não se pode permitir a continuação de agressões como o despejo de esgoto. “O Rio São Francisco é o maior patrimônio de nossa região. Esse projeto chega justamente para garantir a preservação do rio, como também para envolver a população na defesa de nosso maior bem natural”, pontuou. 

Miguel Coelho também avisou que foi iniciado um trabalho para identificar ligações clandestinas de esgoto e, em parceria com a Compesa, o fechamento dessas tubulações irregulares. Ele ainda quer a instalação de um terminal para as barquinhas na orla, orçado em R$ 4 milhões. “Essa área está bastante precária e precisa, urgentemente, de investimentos. Já estamos trabalhando junto ao DNIT para garantir esse terminal para dar mais acessibilidade e conforto para quem usa esse transporte", acrescentou. 

Na semana passada, em entrevista concedida ao LeiaJá, falou sobre a dificuldade de comandar a cidade do sertão pernambucano. Coelho chegou a dizer que Petrolina passou por um “revés”. 

“Não só na queda da receita, mas também deixando de arrecadar por simples questão de gestão. Em quase três meses, consegui triplicar a receita de licença de construção, apenas com gestão, informatizando e com mais transparência. Com gestão, eficiência e zelo pelo bem público estamos conseguindo fazer algumas alterações”, disse. 

COMENTÁRIOS dos leitores