Nacional Ceará Paraíba Pará Pernambuco São Paulo

Deputada diz que não adianta disputar “paternidade"

Luciana Santos (PCdoB) participa, neste domingo (19), da visita do ex-presidente Lula ao município de Monteiro, na Paraíba. Ela afirmou que o povo sabe distinguir quem tomou a decisão de iniciar a obra da transposição do Velho Chico

por Taciana Carvalho dom, 19/03/2017 - 09:38
Reprodução/Facebook Reprodução/Facebook

A deputada federal Luciana Santos (PCdoB) estará presente, neste domingo (19), na visita que Lula fará à obra da transposição do Rio São Francisco, na cidade de Monteiro, na Paraíba, o que deve aumentar as polêmicas envolvendo a “paternidade da obra”. Em conversa concedida ao LeiaJá, a comunista declarou que não adianta ficar discutindo sobre o assunto. 

“Essa questão da paternidade é realmente uma demonstração da desfaçatez das forças que, historicamente, tiveram a chance de realizar a obra e nunca fizeram. Essa é uma obra que foi idealizada no tempo do império, que foi paga pelo povo, mas que Lula tomou a decisão política de fazer, que teve a vontade política e a sensibilidade. Então, é o tipo de disputa que a população distingue quem é que, de fato, tomou a decisão de realizar a transposição”, declarou. 

A parlamentar acredita que a força de vontade de Lula também deve-se por ele ter convivido com “o fenômeno tão cruel e excludente que é a seca”. Também chamou o presidente Temer e sua equipe de “cara de pau” por querer “rasgar e negar a história” da forma que estão tentando. 

“Todo mundo tem memória. O povo tem memória desse legado, dessas conquistas, que são marcas indeléveis do ciclo político iniciado por Lula lá atrás”, concluiu.

O senador Humberto Costa (PT), que também participa do ato de hoje, foi um crítico ferrenho desde que Temer começou a tentativa de aproximação no Nordeste utilizando, também, a obra da transposição do Velho Chico como um meio. O petista chegou a declarar que “o povo não é besta”. 

No sábado (18), Humberto ressaltou que estava “impressionado” com a mobilização do povo para participar do evento afirmando que há dificuldades de encontrar hospedagem na região. “A gente tem notícia de caravanas saindo do Nordeste inteiro e até de outras regiões. São famílias, grupos de amigos e, claro, centenas de lideranças políticas de todo o Brasil. Muita gente organizou, alugou ônibus, carro, pessoas que juntaram o seu dinheiro suado para passar, às vezes, um dia inteiro na estrada para acompanhar esse momento histórico e mostrar a sua gratidão a Lula pela maior obra de infraestrutura hídrica do Brasil”, contou o senador. 

Lula e Dilma devem desembarcar, às 11h, em Campina Grande, e seguem para o trecho da obra, em Monteiro. A previsão é que eles façam uma carreata até o centro do município. O discurso do ex-presidente, certamente, será o momento mais esperado do dia.  

COMENTÁRIOS dos leitores