“Dilma foi a pior funcionária pública que o país já teve”

A declaração foi feita pelo senador Magno Malta (PR), por meio de vídeo publicado em sua página do Facebook

por Taciana Carvalho qua, 11/01/2017 - 16:41
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Em vídeo publicado na página do seu Facebook, o senador Magno Malta (PR) afirmou que a ex-presidente Dilma Rousseff, nos seus últimos dois anos de mandato, deixou de repassar 86% da verba pública para o sistema penitenciário. “E, agora, fica com esses esquerdopatas dando entrevista, postando em rede social, como se esse caos que está acontecendo nos presídios fosse problema deste presidente que está ai há seis meses. É uma covardia. Eles abandonaram o nosso sistema penitenciário e a segurança pública. Nós temos hoje a polícia mais mal renumerada do planeta, desrespeitada e desmoralizada por conta deles”, disparou.

O senador citou a corrupção envolvendo a Petrobras. “Se repatriasse só esse bilhão e duzentos milhões que o senhor Palocci [ex-ministro da Fazenda] tem no banco de Miami, só esse daria para resolver os problemas desses presídios que estão com problemas hoje de superlotação. Só esse dinheirinho que esse rapaz levou. Não se esqueça dos 86% da verba, que essa senhora [Dilma], a pior funcionária pública da história pública deste país, que graças a deus foi mandada embora por justa causa, deixou de repassar para a segurança pública do Brasil”, criticou. 

Magno Malta também disse que muitos especialistas da área de segurança pública e professores de Direito estão comentando o plano de segurança proposto pelo presidente Michel Temer. “Eu fico estarrecido porque se a pessoa não toma uma providência, não se levanta, é um inerte, é um irresponsável que não se sensibiliza, que não sabe governar. Se a pessoa apresenta um plano, tem mais contras do que pros. Nada nessa vida é perfeito. As pessoas nunca estão satisfeitas”.

Para ele, o plano deve ter deficiência porque foram 13 anos de “abandono”. “Todos nós sabemos disso, aliás, nesses treze anos, tudo que eles queriam era legalizar as drogas no Brasil. É proteger bandido de 16, 17 anos, 15 anos, que estupra, sequestra, mata e depois é protegido como criança. É uma história de Direitos Humanos como se os humanos não tivessem direitos”, continuou a maldizer.

Em outro vídeo, o parlamentar já havia feito um pronunciamento polêmico afirmando que as vítimas das chacinas em presídios escolheram morrer no local. “Só Deus deu a vida e pode tirar, mas temos que entender também que essas pessoas escolheram essa vida. Eles fizeram do crime o seu dia a dia. Eles não escolheram viver ao lado de pai e mãe, de filhos e respeitar a sociedade e as pessoas. Muito pelo contrário, mataram, assaltaram, eles escolheram morrer no presídio”, declarou. 

COMENTÁRIOS dos leitores