"Não tenho o que delatar", garante Eduardo Cunha

Deputado afastado do comando da Câmara Federal afirmou que não cometeu crimes e por isso a informação de que ele faria uma delação "é mentirosa"

por Giselly Santos qui, 16/06/2016 - 13:19

As especulações de que o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB) estaria estudando a possibilidade de firmar um acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República foram refutadas pelo peemedebista, nesta quinta-feira (16). Em publicação no Twitter, meio de comunicação que tem usado com frequência desde que foi afastado do comando da Câmara dos Deputados, Cunha classifica a informação como “mentirosa”.

“Não cometi qualquer crime e não tenho o que delatar”, crava o peemedebista no microblog. “Se formos ter de restringir que advogado que participa de delação não advoga para quem não participa, faltara advogado no mercado. Quero refutar com veemência essa ilação de delação”, acrescenta em seguida.

Eduardo Cunha também esclarece que não tem nenhum problema com os clientes da advogada Fernanda Tortima que presta serviços para ele. “Não da para misturar a relação dos seus clientes comigo. Nunca perguntei e nem nunca perguntarei a advogado que trabalha para mim quem são os seus clientes e que tipo de trabalho tem com eles. Não tenho qualquer conflito com clientes dela”, afirma. 

A informação de que Cunha estudava a hipótese de colaborar com a Justiça por meio de delação premiada e de renunciar à presidência da Câmara, foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS dos leitores