Influenza: mais de 1 milhão de pessoas foram vacinadas

Dados correspondem às vacinações em Pernambuco. Público alvo tem 2,6 milhões de cidadãos

por Nathan Santos dom, 05/05/2019 - 13:39
Pixabay Público pode se vacinar de maneira gratuita Pixabay

Até esse sábado (4), 1.119.488 pessoas foram vacinadas em Pernambuco contra a Influenza, segundo dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). De acordo com a pasta, o número corresponde 42,33% do público alvo, composto por mais de 2,6 milhões de cidadãos. Confira uma lista com locais de vacinação.

A meta do Governo de Pernambuco é imunizar gratuitamente, até 31 de maio, no mínimo, 90% do público. “Até o final da campanha podem se vacinar:  crianças entre 6 meses e 5 anos, 11 meses e 29 dias; gestantes, idosos (60 anos ou mais), puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas e povos indígenas”, alertou a Secretaria de Saúde. 

“A imunização, que protege contra as influenzas A(H1N1), A(H3N2) e B, ainda contempla portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, que devem apresentar prescrição médica no ato da imunização, de acordo com recomendação do Ministério da Saúde (MS); adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional. Além disso, o MS orienta vacinar policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas, que devem apresentar documento comprobatório no ato da vacinação, assim como os professores e profissionais de saúde”, acrescentou a Secretaria.

A pasta também realizou um levantamento dos casos e óbito. Confira, a seguir, as informações:

CASOS – Até o último dia 13.04, foram notificados 894 casos de síndrome respiratória aguda grave (Srag), sendo 790 (88,4%) em crianças menores de 6 anos. Do total de casos, 9 tiveram resultado laboratorial positivo para a influenza B, 1 para influenza A(H1N1) e 1 para influenza A não subtipado. 

Quando comparado com o mesmo período de 2018, com 366 casos, houve um aumento de 144,3% nas notificações de Srag. Desses 366, 37 positivaram laboratorialmente para influenza A(H1N1) e 18 para influenza A(H3N2).

A síndrome respiratória aguda grave pode ser provocada por diversos agentes (vírus, bactérias) e é caracterizado pela necessidade de internação de pacientes com febre, tosse ou dor de garganta associado à dispneia (desconforto respiratório).  

ÓBITO – Em 2019, foi confirmado 1 óbito para influenza A não subtipada (quando o exame laboratorial não detecta o subtipo). O caso envolveu um homem na faixa etária dos 50 anos e residente em Petrolina, que veio a óbito em fevereiro.

O QUE É – A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto à boca, olhos e nariz.

A doença é caracterizada por um início súbito de febre, tosse, dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, mal-estar, dor de garganta e coriza. A tosse pode durar duas ou mais semanas. A maioria das pessoas recupera-se da febre e de outros sintomas dentro de uma semana. Complicações ou morte podem ocorrer especialmente em pessoas de alto risco.

Estima-se que uma pessoa infectada seja capaz de transmitir o vírus para até dois contatos não imunes. As crianças com idade entre um e cinco anos são as principais fontes de transmissão dos vírus na família e na comunidade, sendo possível a eliminação do vírus por até três semanas. 

COMENTÁRIOS dos leitores