Colégio onde bebê foi baleado nega que houve tiroteio

A direção da escola, localizada em um bairro de classe média/alta, divulgou uma nota onde lamenta o ocorrido e diz que a instituição foi inserida no "mapa da violência que assola o Rio"

por Mellyna Reis ter, 15/05/2018 - 15:12
Google Maps/reprodução Fachada do colégio onde o bebê foi baleado. Direção não sabe de onde o tiro partiu Google Maps/reprodução

RIO DE JANEIRO - A direção do Colégio São Vicente de Paulo divulgou, nesta terça-feira (15), uma nota na qual diz que foi "abruptamente inserido no mapa da violência que assola o Estado do Rio de Janeiro", após um bebê de apenas seis meses ter sido baleado dentro da instituição.

O episódio ocorreu na noite de segunda (14), quando a criança estava no colo da mãe, enquanto aguardava um outro filho. A direção da escola de classe média/alta, localizada no Cosme Velho, Zona Sul do Rio, lamentou o fato e disse que negou que tivesse havido tiroteio em áreas próximas.

"As observações preliminares feitas pelos agentes policiais que aqui estiveram apontam para uma situação, infelizmente, comum em nossa cidade, de bala perdida, oriunda não se sabe de onde, na medida em que não há registro de qualquer ação envolvendo troca de tiros no entorno do Colégio", diz a nota.

O bebê foi levado por volta das 22h para o Centro Pediátrico da Lagoa, também na zona sul, onde está sendo submetido a uma cirurgia no ombro para a retirada dos fragmentos da bala. O quadro dele é estável e não há corre risco de morte. O nome do bebê e dos familiares foram preservados. Confira a íntegra da nota divulgada pela direção do colégio: 

O Colégio São Vicente de Paulo, instituição escolar com 59 anos de compromisso com a construção de uma sociedade solidária, foi abruptamente inserido no mapa da violência que assola o Estado do Rio de Janeiro, quando vê ocorrer em suas dependências uma situação de bala perdida, atingindo um bebê no colo da mãe, que aguardava seu outro filho terminar a atividade esportiva que frequenta.

Cumpre-nos expressar a profunda tristeza que toma conta de toda a Comunidade Vicentina que, neste momento, se solidariza com a família. Uma das principais características desta instituição e virtude vicentina é o zelo, amplamente percebido na forma como acolhemos todos aqueles que cruzam nossos portões, e priorizando o bem-estar e a segurança dos Alunos, Funcionários e demais pessoas que frequentam o Colégio. 

Como é de conhecimento geral, estamos imersos numa sociedade que tem vivido em meio a polarizações e à violência generalizada, com tiroteios espalhados por diversos locais, roubos e furtos em proporção imensurável, o que nos leva a evocar as palavras de São Vicente de Paulo, Patrono dessa Casa: "É preciso passar do amor afetivo ao amor efetivo...". 

Na situação ocorrida ontem, à noite, no Colégio, as observações preliminares feitas pelos agentes policiais que aqui estiveram apontam para uma situação, infelizmente, comum em nossa cidade, de bala perdida, oriunda não se sabe de onde, na medida em que não há registro de qualquer ação envolvendo troca de tiros no entorno do Colégio. 

Enfim, é tempo de prudência, de sensatez e de muita sabedoria para que não nos deixemos levar pelo desespero e pela falta de esperança. Devemos nos imbuir desses sentimentos para ajudar Alunos, Famílias e Funcionários a refletirem sobre a sociedade que, por missão, devemos ajudar a transformar. Agradecemos a todos que têm manifestado solidariedade com a Comunidade Vicentina.

COMENTÁRIOS dos leitores