Esfaqueada pelo marido em shopping, mulher se recupera bem

De acordo com informações familiares, Andreza Silva dos Santos deve sair do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) nos próximos dias. Agressão aconteceu em um shopping do Rio de Janeiro e foi flagrada por câmeras de segurança

por Eduarda Esteves seg, 16/04/2018 - 17:42
Reprodução/Facebook Os dois moraram juntos por 12 anos e têm duas filhas. Familiares afirmam que a vendedora era constantemente agredida pelo marido Reprodução/Facebook

Na última quinta-feira (12), a vendedora Andreza Silva dos Santos, 26, passou por momentos de pânico e ficou entre a vida e a morte. Ela foi esfaqueada 14 vezes dentro do Shopping 45, na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro, pelo próprio marido, o porteiro Jonny Neves dos Santos, de 33 anos. De acordo com informações dos familiares, ele não aceitava a separação. Andreza deu entrada no Hospital Municipal Souza Aguiar em estado grave, mas nesta segunda-feira (16), a família informou que ela não corre mais risco e vida e se recupera bem. 

Em entrevista exclusiva ao LeiaJa.com, a prima da vítima, Rackyelly Ferreira, disse que o quadro de saúde está ótimo e a previsão é de que deixe o quanto antes o Centro de Terapia Intensiva (CTI) da unidade hospitalar. "Hoje a noite vai se alimentar sem a sonda. Por enquanto, só pode receber visita dos pais. Mas a sua recuperação esta sendo muito ótima. Depois meus pais vão liberar a visita para amigos. Agradeço a todos pela ajuda e oração, muito grata por tudo", contou a familiar.

O porteiro Jonny Neves dos Santos foi levado para a Cadeia de Benfica. O agressor também ficou internado sob custódia após ter sido agredido por populares que presenciaram a tentativa de homicídio, dentro de um shopping na Tijuca, e de ter levado um tiro numa das pernas ao tentar entrar em luta corporal com o policial militar que o deteve. Ele foi autuado por tentativa de feminicídio na 19ª DP (Tijuca). Segundo a delegada Cristiana Bento, o porteiro não quis prestar depoimento e afirmou que só falaria em juízo.

De acordo com Rackyelly, a única mensagem que Jonny falou antes de ir preso foi que um primo da vítima cuidasse das duas filhas do casal. O homem deverá responder por tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil com o agravante da vítima ser mulher. A pena pode alcançar os 30 anos de prisão.

Câmeras de segurança flagraram o momento em que Jonny se aproximou de Andreza e a segurou pelo braço. Depois de alguns segundos, ele começou a esfaqueá-la. Mesmo com várias pessoas tentando contê-lo, o porteiro só parou de atacar a ex-mulher quando alguém disparou um extintor de incêndio na direção do agressor.

Confira o vídeo da agressão

Jonny e Andreza ficaram foram casados por cerca de 12 anos e têm duas filhas juntos, de 4 e 8 anos. Há cerca de um mês, a vendedora, cansada das agressões e do ciúme doentio do marido, resolveu se separar.

Com uma taxa de 4,8 assassinatos em 100 mil mulheres, o Brasil está entre os países com maior índice de homicídios femininos: ocupa a quinta posição em um ranking de 83 nações, segundo dados do Mapa da Violência 2015 (Cebela/Flacso). Entre 1980 e 2013, 106.093 pessoas morreram por sua condição de ser mulher. 

COMENTÁRIOS dos leitores