Trabalhadores dos Correios anunciam greve em todo o país

Funcionários devem parar a partir da 0h desta segunda (12)

por Felipe Mendes dom, 11/03/2018 - 09:56

Os funcionários dos Correios anunciaram uma greve por tempo indeterminado. Os trabalhadores da empresa responsável pela correspondência no país devem parar a partir da 0h desta segunda-feira (12).

Entre as principais demandas do movimento grevista está evitar possíveis mudanças no plano de saúde dos funcionários. Há uma causa tramitando no TST sobre o assunto, e o tribunal deve decidir sobre a retiradas de pais de empregados como dependentes e o início da cobrança de uma taxa mensal nesta segunda (12). Outra reivindicação é a realização de concurso público para a contratação de novos funcionários, o que não é feito desde 2011.

A expectativa é de adesão nacional ao movimento. Os correios enfrentam uma longa crise e recentemente foram realizadas outras greves. Para a empresa, o movimento grevista "serve apenas para agravar ainda mais a situação delicada pela qual passam os Correios".

Leia a nota divulgada pelos Correios:

"A greve é um direito do trabalhador. No entanto, um movimento dessa natureza, neste momento, serve apenas para agravar ainda mais a situação delicada pela qual passam os Correios e afeta não apenas a empresa, mas também os próprios empregados.

Esclarecemos à sociedade que o plano de saúde, principal pauta da paralisação anunciada para a próxima segunda-feira (12) pelos trabalhadores, foi discutido exaustivamente com as representações dos trabalhadores, tanto no âmbito administrativo quanto em mediação pelo Tribunal Superior do Trabalho. 

Após diversas tentativas de acordo sem sucesso, a forma de custeio do plano de saúde dos Correios segue, agora, para julgamento pelo TST.

A empresa aguarda uma decisão conclusiva por parte daquele tribunal para tomar as medidas necessárias, mas ressalta que já não consegue sustentar as condições do plano, concedidas no auge do monopólio, quando os Correios tinham capacidade financeira para arcar com esses custos." 

COMENTÁRIOS dos leitores