SP desenvolve sistema para mapear doadores de sangue raros

O objetivo do projeto é criar um banco raro para pacientes que não podem receber as bolsas de sangue convencionais

por Nataly Simões qua, 07/03/2018 - 16:21

Para facilitar o processo de transfusão em pacientes que são incompatíveis com as bolsas convencionais de sangue, o Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade de São Paulo, em parceria com a Fundação Pró-Sangue e o Laboratório de Genética e Cardiologia Molecular do Instituto do Coração do HC-FMUSP, criou um projeto de reconhecimento de doadores de tipos sanguíneos raros.

De acordo com informações do portal do Governo do Estado de São Paulo, a estratégia é totalmente automatizada e economicamente vantajosa.

O estudo que começou em 2014, usou como base a constituição genética de um grande número de doadores. As informações foram armazenadas em um software, criado especialmente para o projeto, com a finalidade de realizar uma rápida busca de quem são as pessoas com tipos sanguíneos raros. No total, foram feitas 5,4 mil amostras no posto de coleta da Pró-Sangue do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

“É um importante passo para ciência. Com esse trabalho nós conseguimos montar um ‘banco raro’ para quando houver necessidade, acionar esses doadores e convidá-los a doar”, explica a diretora do IMT, Ester Sabino.

Até o momento, o serviço foi acionado três vezes e está disponível apenas no posto de coleta da Pró-Sangue do Hospital das Clínicas. No entanto, segundo a médica e colaboradora do projeto, Carla Dinardo, o projeto vai além da instituição, pois existe uma ligação com todos os hemocentros do país.

Serviço

Fundação Pró-Sangue

Local: Posto de Coleta Hospital das Clínicas

Av. Enéas Carvalho Aguiar, 155 1º andar, Cerqueira César, São Paulo

COMENTÁRIOS dos leitores