Laboratório reajusta 1.400% preço de remédio contra câncer

O medicamento contra um agressivo tumor cerebral subiu de 50 dólares por comprimido para mais de 700

sex, 05/01/2018 - 20:19
PHILIPPE HUGUEN Um laboratório da Flórida enfrenta um pesadelo midiático desde que a imprensa americana revelou que a empresa aumentou em 1.400% seu preço PHILIPPE HUGUEN

Um laboratório da Flórida enfrenta um pesadelo midiático desde que a imprensa americana revelou que, após comprar a licença de um velho medicamento contra um agressivo tumor cerebral, a empresa aumentou em 1.400% seu preço: de 50 dólares por comprimido para mais de 700.

A NextSource Biotechnology, um laboratório desconhecido com sede em Miami, comprou em 2013 a licença do fármaco lomustina da Bristol-Myers Squibb, que supostamente vendia o comprimido de 100 miligramas por cerca de 50 dólares.

Desde então, segundo uma investigação do Wall Street Journal publicada em 25 de dezembro, a NextSource aumentou para 768 dólares o preço do mesmo comprimido, comercializando-o nos Estados Unidos com o nome Gleostine.

A patente da lomustina - antes conhecida como CeeNU ou CCNU - expirou, e não tem um equivalente genérico. É um fármaco quimioterapêutico desenvolvido há mais de 40 anos para tratar o glioblastoma, um agressivo tumor cerebral.

A publicação do artigo do WSJ provocou uma onda de acusações de "cobiça corporativa" nas redes sociais e uma carta aberta de uma associação de ativistas democratas do condado de Miami-Dade, que exige uma investigação judicial sobre a NextSource por "especulação de preços e práticas anticompetitivas".

O advogado da farmacêutica, Joseph DeMaria, disse à AFP que pedirá uma retratação pública e que não descarta denunciar o WSJ e os ativistas por difamação.

DeMaria afirmou que a NextSource produz outras doses menores e, portanto, mais econômicas do comprimido.

"É verdade que a companhia tem um comprimido que custa 700 dólares, mas eles não estão te dizendo que o preço médio de todos os comprimidos que a companhia vende é um pouco acima de 400 dólares", disse.

O advogado também argumentou que a empresa deve pagar dois milhões de dólares por ano à agência de medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, e que o custo da matéria-prima da lomustina aumentou 30%.

COMENTÁRIOS dos leitores