Aparecida terá 1º conjunto habitacional com luz solar

A iniciativa proporcionará economia de consumo para apartamentos e áreas comuns do futuro condomínio

por Geovanna Bertaioli sex, 13/10/2017 - 10:06

O governador Geraldo Alckmin e o secretário de habitação Rodrigo Garcia assinaram na tarde de ontem (12) o contrato que autoriza o início das obras do residencial Aparecida B, primeiro empreendimento vertical a utilizar energia solar, que será captada por meio de placas instaladas na estrutura dos prédios. O acordo aconteceu no Santuário Nacional, em Aparecida, após a celebração da missa de 300 anos de aparição da imagem da santa nas águas do rio Paraíba do Sul.

“Assinamos hoje a autorização para a construção de 62 apartamentos. É o primeiro prédio de habitação de interesse social do Brasil com energia fotovoltaica, que vai abastecer todas as unidades. A obra tem início imediato, pois já está contratada”, afirmou Alckmin.

A iniciativa pretende proporcionar economia de consumo para apartamentos e áreas comuns do futuro condomínio. Com valor de investimento estimado em R$ 22,7 milhões, o conjunto será construído em Aparecida, na região administrativa de São José dos Campos, com 62 moradias para famílias de baixa renda.

A infraestrutura compreende redes públicas e condominiais de água e esgoto sanitário, sistema de drenagem, rede elétrica condominial, rede de gás condominial, rede de telefonia, pavimentação, fechamentos, paisagismo e equipamentos de lazer.

No total, 152 módulos de placas fotovoltaicas serão instalados no telhado dos quatro blocos e que irão gerar em torno de 4.760 KWh/mês. Essa energia elétrica gerada pelo sistema será destinada principalmente às áreas comuns (estacionamento, espaços de circulação entre o condomínio e hall das escadas) e para os apartamentos. Sendo assim, os moradores economizam no pagamento de duas contas tanto no condomínio, que inclui o consumo nas áreas comuns, quanto na própria residência.

A geração de energia será feita por meio de placas fotovoltaicas, que produzem energia limpa que pode ser consumida no próprio residencial ou ser enviada para a rede de distribuição de energia. Está prevista uma geração de 50 kWh (quilowatt-hora)/mês por habitação, o que representa cerca de R$ 30 reais de economia na conta mensal de cada família.

COMENTÁRIOS dos leitores