Com carro adesivado, Uber não tem "medo de taxista"

Ele conta que trabalhou 15 anos como taxista e que escancarar para todos o novo meio de sustento traz problemas como não poder deixar o carro estacionado em lugares públicos

por Taciana Carvalho sex, 06/10/2017 - 15:42
Taciana Carvalho/LeiaJáImagens Taciana Carvalho/LeiaJáImagens

Muitos motoristas do Uber se definem vulneráveis e até mesmo com medo devido às inúmeras polêmicas e confusões com taxistas. No Recife, bem como em outros estados brasileiros onde o aplicativo é permitido, não raro aconteceram cenas lamentáveis de intolerância e brigas envolvendo a regulamentação ou não do Uber. Alguns, inclusive, evitam de trabalhar em horários noturnos e passar por perto de pontos de táxis até mesmo chegando a cancelar viagens quando há taxistas nas mediações. 

Seu Francisco Lima, 68 anos, é uma exceção. Em conversa com o LeiaJá, nesta sexta-feira (6), ele prefere não mostrar o rosto, mas garante que não é por medo, já que a frase adesivada “Uber” em todo os lados do carro deixa claro que "não se intimida" com nada e ninguém, mas sim para preservar sua imagem. 

O idoso, que é italiano, conta que trabalhou 15 anos como taxista e que desde o início do aplicativo no Recife se cadastrou. Ele contou que escancarar para todos, através do seu veículo, o novo meio de sustento traz problemas como não poder deixar o carro estacionado em lugares públicos, mas afirma que não vai parar. “Alguns taxistas não se conformam, fazem piada e até mesmo me ameaçam, mas eu não ligo não porque eu não tenho medo de taxista. Comigo não existe espaço para tamanha ignorância e sou um motorista experiente”, declarou. 

Francisco também deixou um recado de tolerância, necessária não apenas quando se refere a taxistas e Uber, mas também para toda a sociedade. “Esse é o meu meio de trabalho e todos podem conviver bem cada um em seu canto”, disse. 

Os protestos promovidos por taxistas tem sido menos constantes com o passar do tempo. Inclusive, no final de setembro passado, foi a vez dos motoristas do aplicativo que saíram em carreata e promoveram um “buzinaço” na área do Centro do Recife. Eles se manifestaram contra o Projeto de Lei 28/2017, do Senado Federal, que pretende regulamentar o setor no país. O documento é de autoria do deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP).

COMENTÁRIOS dos leitores