Presas mulheres que assaltavam bancos e fugiam de lancha

Grupo poderia ter sido preso anteriormente, mas polícia não recebeu posicionamento da Justiça

por Naiane Nascimento qui, 14/09/2017 - 13:13

No fim da manhã desta quinta-feira (14), a Polícia Civil informou sobre a prisão de um trio de mulheres pela prática de assaltos a agências bancárias no litoral. Elas atuavam em Tamandaré e Itamaracá e, após fazerem a ação, fugiam em lancha. 

“Tínhamos a informação da atuação dessa quadrilha em Pernambuco há um tempo e com a morte do líder do grupo no último dia 12 de setembro, a gente entendeu que era o momento de deflagrar uma operação no intuito de prender essas mulheres que davam apoio logístico”, explicou o delegado João Gustavo Godoy, titular da Delegacia de Roubos e Furtos. 

As investigações constataram a participação delas ao realizarem levantamento de onde seriam os crimes. “Elas se hospedavam em casas alugadas para fazer levantamento dos locais e bancos e posicionamento da quadrilha que fazia as ações e os ataques”, detalha. A prisão se deu após o recebimento de denúncias de que havia pessoas com materiais dentro de casa que poderiam ser usados para possíveis assaltos.

O delegado conta que elas confessaram a participação no caso de Tamandaré, - sob investigação da Polícia Civil - e Itamaracá, pela Polícia Federal. Ele ainda explicou o motivo do trio não ter sido preso antes. “infelizmente a gente já tinha identificado o pessoal que atuou em Tamandaré 15 dias depois do acontecimento, pedimos medidas cautelares, mas até agora não houve pronunciamento da Justiça”. 

Para Godoy, se as prisões tivessem sido efetuadas antes, a investida de Itamaracá e à Usina Cucaú já não teriam acontecido. Durante as investigações foi constatado que grupo já estava preparado para fazer um ataque no Pará. Além das três prisões uma lanha foi apreendida e era usada para a fuga nas duas investidas. Também foram encontrados 13 quilos de maconha e uma arma. Elas três foram autuadas por posse ilegal de armas e explosivos, tráfico de drogas, receptação e organização criminosa armada. 

COMENTÁRIOS dos leitores