Incêndio em escola da Malásia deixa 23 mortos

Testemunhas relataram como os jovens tentaram, em vão, escapar das chamas e os vizinhos ouviam seus gritos, impotentes

qui, 14/09/2017 - 08:20
SADIQ ASYRAF O incêndio aconteceu na escola religiosa Tahfiz Darul Quran Ittifaqiyah, localizada em Datuk Keramat, antes do amanhecer SADIQ ASYRAF

Vinte e três pessoas, a maioria estudantes, morreram em um incêndio que atingiu uma escola religiosa em Kuala Lumpur, na Malásia, na madrugada desta quinta-feira, na maior tragédia deste tipo em várias décadas no país.

O incêndio aconteceu na escola religiosa Tahfiz Darul Quran Ittifaqiyah, localizada em Datuk Keramat, antes do amanhecer. Os bombeiros seguiram imediatamente para o local, mas o incêndio prosseguiu por mais uma hora.

O corpo de bombeiros confirmou o balanço de 21 estudantes e dois professores mortos no incêndio. De acordo com a polícia, os alunos eram todos homens, com idades entre 11 e 17 anos.

"Eu acho que este é um dos piores desastres de incêndios do país nos últimos 20 anos. Agora estamos investigando a causa do fogo", disse à AFP Khirudin Drahman, chefe do Departamento de Bombeiros e Resgate de Kuala Lumpur.

Outro funcionário do Departamento de Bombeiros no local disse que o incêndio atingiu os quartos antes do amanhecer, e que bombeiros chegaram na escola em poucos minutos.

Fotografias publicadas pela imprensa local mostram as camas queimadas e a fumaça no local. Testemunhas relataram como os jovens tentaram, em vão, escapar das chamas e os vizinhos ouviam seus gritos, impotentes.

"As crianças tentaram desesperadamente escapar das chamas, mas as grades impediram sua saída do prédio", declarou à TV o ministro dos Território da Federação Malaia, Tengku Adnan Tengku Mansor. O chefe da polícia de Kuala Lumpur, Amar Singh, declarou que "os corpos ficaram completamente carbonizados".

"Infelizmente, havia apenas uma saída e não conseguiram escapar. Todos os corpos foram encontrados amontoados", revelou Singh, acrescentando que os alunos eram meninos de 11 a 17 anos.

O jornal The Star informou que vizinhos da escola realizavam uma oração de madrugada quando ouviram gritos de pedido de ajuda enquanto o andar superior do prédio era devorado pelas chamas. Khirudin Drahman afirmou que esta é a maior tragédia provocada por um incêndio no país em 20 anos.

"A escola religiosa não tinha licença de funcionamento concedida pelas autoridades locais. A escola não possuía nem o aval das autoridades religiosas locais. Numerosas outras escolas religiosas no país" operam ilegalmente, destacou o ministro dos Territórios.

O vice-ministro dos Territórios da Federação Malaia, Loga Bala Mohan, manifestou seu pesar aos familiares das vítimas e pediu que as causas da tragédia sejam apuradas rapidamente. As escolas tahfiz são institutos religiosos nos quais os jovens estudam o Corão na Malásia, onde mais de 60% da população é muçulmana.

O jornal The Star informou que as autoridades já haviam alertado para o risco de incêndio pela falta de medidas de segurança em outras instituições. Desde 2015 foram registrados 211 incêndios em centros de ensino similares em todo o país.

Em agosto, 16 pessoas escaparam das chamas em um tahfiz de Baling, no estado de Kedah (norte). O país tem 519 escolas tahfiz, a maioria sem licença, de acordo com o jornal. Um incêndio em 1989 no estado de Kedah matou 27 alunas.

COMENTÁRIOS dos leitores