Carrefour condenado por acusar empregado de furto de boné

Rede de hipermercados deverá pagar R$ 15 mil por danos morais

por Jorge Cosme ter, 12/09/2017 - 19:13
Pixabay Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou que a acusação do Carrefour foi feita mesmo sem provas robustas Pixabay

A rede de hipermercados Carrefour foi condenada por danos morais por ter dispensado por justa causa um açougueiro após acusá-lo de furto de um boné. A empresa terá que pagar R$ 15 mil de indenização.

O caso aconteceu em Uberlândia, em Minas Gerais. O açougueiro trabalhou por quase dois anos na loja. Segundo o relato dele, no dia 9 de setembro de 2009 três fiscais o abordaram no estacionamento com a suspeita de que ele teria pegado um boné sem pagar.

O funcionário foi levado ao interior da loja para dar explicações e, em seguida, conduzido à delegacia. No dia seguinte, o Carrefour o demitiu por justa causa. A pena foi afastada pela justiça de primeiro grau por conta das fragilidades das provas apresentadas.

Em seu recurso, a rede alegou que não houve comprovação de dano causado ao empregado pelo acontecido e que o valor fixado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG) “não se pautou pelo princípio da razoabilidade”.

 

O relator do processo no TST, ministro Caputo Bastos, disse ter ficado comprovado que a empresa atribuiu ao empregado conduta criminosa de furto sem que houvesse prova robusta nesse sentido, “além de ter sofrido abordagem policial em local público, com condução à delegacia de polícia”. O relator destacou que não se pode quantificar o dano sofrido pelo trabalhador, mas que a quantia arbitrada se mostra adequada. 

COMENTÁRIOS dos leitores