Vírus da zika pode ajudar a tratar tumor no cérebro

Cientistas americanos tiveram sucesso em tratamento com camundongos

por Sérgio Gregório ter, 05/09/2017 - 17:21

O vírus da zika pode ser usado para ajudar no tratamento de glioblastoma, um tipo de câncer mortal do cérebro. O estudo que propõe essa teoria foi publicado nesta terça-feira (5), na revista cientifica “The Journal of Experimental Medicine”. A pesquisa foi realizada por cientistas norte-americanos da Universidade de Washington, em Saint Louis, e da Universidade da Califórnia, em San Diego, nos Estados Unidos.

O estudo propõe que da mesma forma que o vírus da zika ataca as células neuroprogenitoras nos cérebros dos bebês durante a gestação, causando microcefalia, ele possa também ser útil contra as células-tronco do glioblastoma, auxiliando no tratamento da doença.

Atualmente o glioblastoma é tratado com radioterapia e quimioterapia. Mas o tratamento atinge apenas grande parte da doença e não elimina as células-tronco, fazendo com que a doença volte a crescer em cerca de seis meses.   

Segundo Milão Chheda, um dos autores do estudo, a ideia é usar o vírus para combater as células-tronco da doença, enquanto o tratamento convencional atingiria o tumor já formado.

O possível tratamento utilizando o zika só poderia ser realizado em uma cirurgia, pois o vírus teria que ser aplicado diretamente na região do cérebro afetada. Caso o zika fosse aplicado em outras regiões do corpo, o sistema imunológico humano eliminaria o vírus de forma natural antes que ele pudesse chegar ao cérebro.

Os cientistas afirmam que o vírus da zika não seria letal em contato com um cérebro humano desenvolvido (cérebro de adultos), pois a zika atinge primordialmente as células neuroprogenitoras, que existem apenas em cérebro em formação, como os dos bebês.

O glioblastoma é a forma mais comum de câncer no cérebro. De acordo com o Ministério da Saúde, são diagnosticados 120 mil casos da doença no Brasil. Pacientes humanos com esse tipo de câncer vivem em média um ano após diagnóstico.

COMENTÁRIOS dos leitores