Lama, lixo e caos: canais da RMR refletem descaso coletivo

Problema histórico, imundície na rede de drenagem mostra o quanto nossas cidades ainda estão estagnadas em questões básicas

por Alexandre Cunha qua, 12/04/2017 - 09:06

Incrustados na lama, uma variedade de produtos: aparelho de televisão, base de ventilador, pedaços de madeira. Sacos plásticos, pregos, papelão. Quando a maré é baixa, os canais e galerias do Grande Recife expõem um panorama longe de ser novidade e de ser resolvido: o irresponsável descarte de lixo nas redes de drenagem.  

Se o inverno, em 2017, oficialmente se inicia apenas no dia 21 de junho, chuvas mais intensas já dão as caras e acendem o sinal de alerta. A julgar pela situação dos canais da Região Metropolitana, a população pode se preparar: os alagamentos serão inevitáveis. 

No Canal da Malária, em Olinda, tem de tudo: de televisores a bonecas de criança. No mesmo dia, nossa reportagem avistou dois sofás no local: um na margem, pendurado à vegetação, e outro despejado diretamente no canal. Moradores reconhecem a falta de consciência da própria população, mas criticam a ausência de uma postura firme da gestão pública. 

"Só tem piorado. Cada dia é mais lixo, tanto no canal como na praia (de Del Chife). O lixo desce todinho do (rio) Beberibe e vem despejar aqui. E não vem ninguém da prefeitura limpar isso aqui. Acredito em melhora não. Eu acho que a tendência é piorar", queixa-se o pescador Jorge Machado, morador da Ilha do Maruim. Seu convizinho, Amarildo Silva, afirma que, não raro, peixes são encontrados mortos dentro de sacos plásticos, sufocados. 

Na Zona Norte do Recife, o Canal do Arruda é um dos mais críticos da região. De tão comuns, garrafas pets parecem fazer parte natural do ambiente violentamente degradado. Em Afogados, às margens do Canal do ABC, moradores da comunidade Escorregou Tá Dentro convivem de muito perto com o mau cheiro e a imundície. Enquanto a reportagem passava no local, garotos descartavam pacotes de salgadinho na canaleta, despreocupados, como se ali fosse realmente o lugar apropriado para isso. 

Prefeituras garantem mutirões de limpeza

Com a meta de antecipar os serviços da Operação Inverno, a prefeitura do Recife iniciou a limpeza dos canais da capital no fim de 2016. Segundo a Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), as ações já foram concluídas em quase 30 canais, como no Canal do Jordão, no bairro homônimo, e no Canal da Avenida 30 de Outubro, em Jardim São Paulo.

Atualmente, os trabalhos estão em andamento em outros dez canais: Canal do Ibura; Canal da Rua Ipiporã, Canal da Fortuna, Canal Passarinho, Canal Rio Morno, Canal do Valença, Canal Rio Jiquiá/Planeta Curado, Canal do Cavouco, Canal do Sport e Canal Ilha de Santa Terezinha. A Emlurb assegura que a previsão é atuar em mais de cem pontos até o início do inverno, com um investimento específico de R$ 600 mil. No total, o valor destinado pela prefeitura para a limpeza de canais, em 2017, é de R$ 5 milhões.

Mesmo valor será desembolsado pelos cofres públicos de Olinda. O secretário executivo de Manutenção Urbana da cidade, Givaldo Calado, explica que a prefeitura está "ininterruptamente, desde o início do ano, realizando os trabalhos de limpeza dos canais". De acordo com Calado, "o Canal do Fragoso tem recebido atenção redobrada devido à obra no local e também por cortar todo o município". Foi por causa desta obra que, no ano passado, os olindenses testemunharam uma das maiores enchentes dos últimos anos

Ecoestações

No Recife, na tentativa de evitar o despejo irresponsável de metralhas, móveis, resíduos de podas e outros utensílios domésticos nos canais e galerias, a prefeitura disponibiliza à população as chamadas Ecoestações. Desde 2013, oito equipamentos do tipo foram instalados na cidade. Os recifenses podem fazer o descarte de segunda a sábado, das 8h às 16h. São proibidos lixos hospitalar, industrial e eletrônico. Confira os endereços das Ecoestações:

Ibura: Rua Rio Tapado, Ibura de Baixo, próximo à BR-101

Imbiribeira: Avenida Mascarenhas de Morais, sentido cidade/subúrbio, próximo ao viaduto Tancredo Neves.

Campo Grande: Avenida Agamenon Magalhães com a rua Odorico Mendes.

Totó: Esquina da Rua Onze de Agosto com a Rua Nelson de Sena, S/N.

Cohab: Esquina da Av. Rio Largo com a Av. Santos, Cohab, Ibura, próximo à Escola Municipal Cristiano Cordeiro.

Torrões – Rua maestro Jones Johnson, Torrões.

Torre - Av. Ciclovia Republica da Argelia (Comunidade Santa Luzia)

Arruda - Rua Professor José dos Anjos, no Arruda.

COMENTÁRIOS dos leitores