Recife celebra o Dia Mundial da Migração dos Peixes

Evento, cuja proposta é mostrar a dificuldade dos peixes em migrar de um rio para o outro por conta da poluição na água, acontece neste sábado (24) em 200 cidades de 70 países

por Yasmim Dicastro sab, 24/05/2014 - 13:07

Não jogar lixo nos rios, para que seres aquáticos tenham vida prolongada na água. Este é o objetivo da primeira edição do evento “Capibaribe, um Rio de Vida”, realizado neste sábado (24), na Praça do Marco Zero, Recife Antigo. A comemoração integra o Dia Mundial da Migração dos Peixes, celebrado hoje em 200 cidades de 70 países. Na capital pernambucana, a iniciativa é promovida pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). 

Mostrar como os peixes têm dificuldade de migrar de um rio para outro, por conta da poluição, é um tema que sempre fez parte da vida do organizador do evento, André Suceno Afonso. “Precisamos alertar a população da importância de manter e limpeza do rio. Algumas espécies de peixes estão impedidas de sair de um determinado espaço por conta de interferências humanas. O que precisamos, de fato, é mudar o pensamento das pessoas. Sozinho, eu não consigo mudar o mundo, preciso da ajuda de todos”, esclarece Afonso. 

Fundadora da ONG Recapibaribe e apaixonada pelo rio que traz o nome da entidade, Socorro Cantanhede demonstra muita preocupação com a atual situação do Capibaribe. “As pessoas não aproveitam o rio como deveriam, não contemplam a paz que ele proporciona. Pelo contrário, só fazem sujar e, com isso, aumentar a poluição. Onde o rio vai parar deste jeito?”, questiona Cantanhede, que é filha de pescadores, cuja família sempre tirou o sustento diário da pesca no rio. 

O evento celebrado hoje oferece aos visitantes passeio de barco, no qual será mostrado como os peixes vêm apresentando dificuldade para se locomover por conta da contaminação na água, palestras sobre a data especial e oficinas para crianças e adolescentes, capazes de mostrar como o material plástico pode ser reaproveitado de uma forma inteligente, sem precisar ir para um rio. Confira mais detalhes no vídeo a seguir:

Com apenas 12 anos de idade, a estudante Maria Medeiros reconhece a importância do Rio Capibaribe para a cidade. “É fundamental a preservação do rio, pois ele dá mais vida ao planeta”, comenta a jovem, que fez um peixe de garrafa pet durante a oficina. 

A programação ainda conta com oficinas oferecidas na Caixa Cultural, no Recife Antigo, na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), localizada no bairro do Derby, e no museu Murillo La Greca, que fica no Parnamirim. Além destes três lugares, o Restaurante Capibar, em Casa Forte, onde se encerra o passeio de barco, também está com uma programação especial alusivo ao Dia Mundial da Migração do Peixe. As atividades acontecem até às 16h deste sábado (24).

COMENTÁRIOS dos leitores