Ocupe Estelita mobiliza dezenas de pessoas

O objetivo da iniciativa é sensibilizar o poder público para não aprovar a cosntrução de 13 torres ao longo do Cais

por Thabata Alves | dom, 15/04/2012 - 14:35 | Atualizada em: dom, 15/04/2012 - 16:57
Compartilhar:

 

Foto: André Nogueira/ LeiaJá Imagens População se diverte no Cais José Estelita População se diverte no Cais José Estelita

Arquitetos, engenheiros, artistas circenses, médicos, jornalistas, estudantes, militantes partidários, moradores do Recife e da Região Metropolitana dedicaram este domingo (15) a ocupar o Cais José Estelita, na bacia Portuária do Recife. O Ocupe Estelita tem por finalidade sensibilizar o poder público para que não aprove o projeto Novo Recife, que consiste na construção de 13 torres ao longo do Cais José Estelita.

Ao longo do Cais, crianças, adolescentes, adultos e idosos conversam, brincam de patins, skate e bambolê, outros ouvem música e dançam, além de produzirem cartazes de manifesto ao projeto e ao poder público. Eles se mobilizaram tanto para promover a socialização na cidade quanto para refletir sobre um novo modelo de cidade, de preferência freando a verticalização.

A socióloga e uma das integrantes do movimento Direitos Urbanos (constituído através das redes sociais), Ana Paula Portella, afirma que o movimento é uma plataforma de debate social. “O Recife vem se crescendo em torno de torres e shoppings, está na hora do poder público começar a repensar o modelo de cidade longe da verticalização. O projeto do Consórcio Novo Recife (composto pela Moura Dubeux, Queiroz Galvão, GL Empreendimentos e Ara Empreendimentos) é segregador e, no entanto, vai ocupar um das áreas mais bonitas da cidade. Esperamos que o poder público avalie bem isto”.

Segundo Ana Paula, o movimento não fica apenas na discussão do projeto Novo Recife, mas também na reflexão de outras ações da gestão pública que estão em desalinho com a vontade da sociedade. Projetos como Via Mangue, Viadutos da Agamenon e ciclovias estão entre os temas de reflexão do grupo.

O músico olindense Pedro Andrade, 28 anos, analisa que a construção das torres no local irá interferir na mobilidade dos moradores do entorno de maneira mais direta, mas também afetará o tráfego de moradores de outros bairros. “A mobilidade na cidade já é complicada tanto para quem mora na cidade quanto para quem precisa circular por ela e com a construção desse empreendimento a coisa tende a ficar ainda pior”.

Para o músico, que trabalha no Recife, barrar este projeto significa preservar a história da cidade e sua paisagem, bem como frear a verticalização.  Ele também avalia que ouvir a população, suas ideias em relação ao formato de cidade que ela necessita é uma nova forma de se fazer política. “é necessário que a população seja ouvida, seus anseios, suas demandas e que seja atendida”.

Dentre os participantes da mobilização estava um grupo de militantes petistas da corrente Movimento de Ação e Identidade Socialista (Mais), sendo um deles pré-candidato a vereador do Recife, o médico Carlos Eduardo. Questionado se sua presença tinha com objetivo ganhar a simpatia dos eleitores ou angariar votos, Carlos negou. “Sou de uma corrente que está com o povo, somos muito ligados aos movimentos sociais, estamos constantemente juntos. Vou disputar espaço na Câmara para defender o desenvolvimento sustentável. Minha participação na mobilização, que é legítima, é enquanto cidadão preocupado com o município”.

O Ocupe Estelita acontecerá até às 16h e conta com uma programação náutica, circense, além de apresentação de teatro e bandas.

Confira a galeria de imagens da mobilização.

| | | Link:
Compartilhar:

Facebook

Carregando